ipca
-0,21 Nov.2018
selic
6,5 31.Out.2018
Topo

Panamericano passa a se chamar Banco Pan e muda logotipo

Divulgação
Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

15/05/2013 16h40

Desde a manhã desta quarta-feira (15), as fachadas de algumas agências do antigo banco Panamericano (BPNM4) ostentam a nova marca e logotipo da instituição, que passou a se chamar Banco Pan.

A empresa afirmou, em nota, que "a nova fase simboliza a unificação dos serviços do Panamericano e da BM Sua Casa, sob o slogan Pan Soluções para Sua Vida".

A modificação já foi feita em quatro agências em São Paulo, três do Rio de Janeiro, uma em Brasília e uma em Salvador. Dos cerca de 300 pontos de atendimento, 230 serão reformados até setembro para incorpor a nova identidade

"A mudança simboliza uma nova fase do Pan, que unificou suas estruturas conservando a especialização no atendimento de cada segmento, fortaleceu suas linhas de negócios e tem investido continuamente no atendimento aos clientes”, afirmou o presidente do banco, José Luiz Acar.

Segundo o comunicado, "o atendimento continuará especializado em cada linha de negócio: imobiliário, veículos, consignado e crédito pessoal, mas o cliente poderá obter informações sobre todos os produtos em todas as unidades da rede".

Histórico

Em dezembro de 2010, a Polícia Federal começou a investigar as operações do banco, que estava sob acusações de fraude após a constatação de prejuízos de cerca de R$ 4 bilhões. A instituição pertencia ao grupo Silvio Santos, e foi vendida para o BTG Pactual.

O rombo surgiu porque o banco teria vendido partes de sua carteira de crédito (empréstimos feitos) a outros bancos, sem dar baixa disso na sua contabilidade. Era como se contasse com um dinheiro que não existia mais.

A quebra do banco só foi evitada após o Grupo Silvio Santos assumir integralmente a responsabilidade pelo problema e oferecer os seus bens para conseguir um empréstimo nesse valor junto ao Fundo Garantidor de Crédito.

Em 2012, 14 ex-diretores e 3 ex-funcionários do Banco Panamericano foram indiciados por crimes contra o sistema financeiro pelo Ministério Público Federal (MPF). 

Mais Economia