IPCA
0,51 Nov.2019
Topo

Mercado piora a projeção do PIB em 2015 e reduz para 9,29% a de inflação

Mercado piora projeção do PIB e prevê inflação de 9,32% em 2015 -
Mercado piora projeção do PIB e prevê inflação de 9,32% em 2015

Do UOL, em São Paulo

24/08/2015 08h41

As projeções de economistas para o PIB (Produto Interno Bruto) pioraram novamente, de acordo com levantamento divulgado nesta segunda-feira (24) pelo Banco Central.

A expectativa dos economistas é de que o PIB registre resultado de -2,06%; na semana anterior, a projeção era de -2,01%.

Para a inflação, os analistas diminuíram a previsão, após 17 altas consecutivas. Agora, eles esperam alta de 9,29% nos preços em 2015. A previsão anterior era de 9,32%.

A estimativa fica muito acima do limite máximo da meta do governo. O objetivo é controlar a alta dos preços em 4,5% ao ano, mas com tolerância de dois pontos para mais ou menos (ou seja, variando de 2,5% a 6,5%).

A prévia da inflação em agosto desacelerou e ficou em 0,43%, mas atingiu 9,57% em 12 meses, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). 

Para a Selic, a taxa básica de juros, a previsão foi mantida em 14,25%; para o dólar, a estimativa subiu de R$ 3,48 para R$ 3,50.

Na última reunião, o BC subiu a Selic em 0,5 ponto percentual, de 13,75% para 14,25% ao ano. São os maiores juros em nove anos, desde agosto de 2006, quando a taxa também estava em 14,25%. 

Entenda o que é o boletim Focus

Toda segunda-feira, o BC divulga um relatório de mercado conhecido como Boletim Focus, trazendo as apostas de economistas para os principais indicadores econômicos do país.

Mais de 100 instituições são ouvidas e, excluindo os valores extremos, o BC calcula uma mediana das perspectivas do crescimento da economia (medido pelo Produto Interno Bruto, o PIB), perspectivas para a inflação e a taxa de câmbio, entre outros.

Mediana apresenta o valor central de uma amostra de dados, desprezando os menores e os maiores valores.

(Com Reuters)

Consumidor busca receitas para amenizar inflação

Economia