IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Poupança tem debandada pelo 11º mês e já perdeu mais de R$ 58 bi no ano

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

04/12/2015 15h12Atualizada em 04/12/2015 15h32

Os saques da poupança superaram os depósitos em novembro, pelo décimo primeiro mês seguido, de acordo com dados divulgados pelo Banco Central nesta sexta-feira (4). A diferença foi de R$ 1,303 bilhão. 

É o pior resultado para o mês de novembro desde 1995, quando começa a série histórica do BC.

No ano, a poupança já perdeu R$ 58,358 bilhões.

Apesar de negativo, o desempenho em novembro foi melhor do que o registrado em outubro, quando a conta tinha sido negativa em R$ 3,264 bilhões.

Em todo o ano passado, a poupança conseguiu atrair mais recursos do que foi sacado: R$ 24,034 bilhões. Apesar de positivo, foi o menor resultado desde 2011. 

Efeito no crédito para a casa própria

A caderneta de poupança é principal fonte de financiamento imobiliário do país, por meio do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE).

Como isso, a Caixa Econômica Federal, principal banco de financiamento imobiliário do país, e outros bancos enfrentam um cenário difícil, com menos recursos para emprestar nesta modalidade de crédito.

Neste ano, a Caixa já elevou três vezes o preço cobrado dos empréstimos pelo Sistema Financeiro de Habitação (SFH), além de reduzir, de 90% para 80% a cota máxima de financiamento do imóvel no Sistema de Amortização Constante (SAC) e 50% pela tabela Price.

Por que estão fugindo da poupança?

Os fatores que ajudam a explicar os saques continuam os mesmos: inflação elevada, aumento do desemprego, menor crescimento da renda do trabalhador e maiores gastos com tarifas e combustíveis neste ano.

A alta da taxa básica de juros (Selic), que está em 14,25% ao ano, também tira atratividade da caderneta, que perde em rentabilidade para outros investimentos mesmo considerando a isenção de Imposto de Renda. 

Desde o fim de agosto de 2013, a poupança voltou a ser remunerada pela “fórmula antiga” de 0,5% ao mês mais TR. Pela regra atual, se a Selic voltar a ficar abaixo de 8,5% ao ano, o rendimento será equivalente a 70% da taxa básica de juros.

(Com Reuters e Valor)

Mais Economia