Bolsas

Câmbio

Inflação fecha 2015 em 10,67%, estoura teto da meta e é a maior desde 2002

Do UOL, em São Paulo

A inflação oficial no Brasil fechou 2015 em 10,67%, muito acima do limite máximo da meta do governo. O objetivo é manter a alta dos preços em 4,5% ao ano, mas com tolerância de dois pontos percentuais para mais ou para menos, ou seja, podendo oscilar de 2,5% a 6,5%.

  • 48944
  • true
  • http://economia.uol.com.br/enquetes/2016/01/06/o-que-pesa-mais-no-seu-bolso-neste-inicio-do-ano.js

É a maior alta de preços anual desde 2002 (12,53%).

Em 2014, a inflação havia sido de 6,41%, dentro do limite máximo.

No mês de dezembro, a alta de preços desacelerou em relação ao mês anterior (1,01%) e ficou em 0,96%.

Os dados do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) foram divulgados nesta sexta-feira (8) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

E agora?

Como a inflação estourou a meta, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, terá que publicar uma carta aberta ao ministro da Fazenda.

Nela, precisa explicar por que a meta foi descumprida, quais ações serão adotadas para que a inflação volte para dentro da margem de tolerância e o tempo esperado para que essas medidas surtam efeito.

Vilões: luz e gasolina 

Em 2015, o brasileiro passou a pagar mais caro por todos os grupos de produtos e serviços que compõem a inflação oficial.

Os aumentos na conta de luz e no preço dos combustíveis foram os principais responsáveis pela elevada inflação. Juntos, os dois itens representam 24% da alta de preços. 

A energia elétrica ficou 51% mais cara e os combustíveis, 21,43%. Em algumas cidades, o aumento foi muito maior. Em São Paulo (SP), por exemplo, a conta de luz subiu 70,97% e, em Curitiba (PR), 69,22%.

Outra despesa que pesou no orçamento foi o botijão de gás, que ficou 22,5% mais caro em 2015.

Cebola salta 60,6%

Preparar uma receita de vinagrete ficou bem mais caro no ano passado. A cebola teve alta de 60,6% e o tomate, de 47,45%. 

Também foram destaque negativo a batata, com alta de 34,18%, e o cafezinho consumido fora de casa, em estabelecimentos comerciais, que subiu 15,67%.

No geral, alimentos e bebidas tiveram uma alta de 12,03% nos preços.

Expectativas para 2016

Em um cenário de confiança muito fraca na economia, piorado pela crise política e a ameaça de impeachment da presidente Dilma Rousseff, as expectativas de inflação não param de piorar, o que deixa o BC ainda mais sob pressão para controlar a alta dos preços.

Em seu Relatório de Inflação, o BC havia elevado a expectativa de inflação para 10,8% em 2015, e para 6,2% neste ano. 

Já a pesquisa Focus, realizada pelo BC, mostra que os economistas veem inflação de 6,87% no final de 2016.

Inflação e juros

A inflação alta tem sido uma das principais dores de cabeça para o Banco Central nos últimos anos. A taxa de juros é um dos instrumentos mais básicos para controle da alta de preços.

Quando os juros sobem, as pessoas tendem a gastar menos e isso faz o preço das mercadorias cair (obedecendo à lei da oferta e procura), o que, em tese, controlaria a inflação.

Na última reunião, o BC manteve a taxa básica de juros, a Selic, em 14,25%, interrompendo uma sequência de sete altas. Essa taxa de juros é a mais alta desde agosto de 2006, quando ela também estava em 14,25%. 
 
(Com Reuters)

A crise econômica no bolso: o que mudou na sua vida?

  •  

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Assine e receba em seu e-mail em dois boletins diários, as principais notícias do dia

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos