PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Embraer diz que Boeing quebrou contrato por falta de vontade e de dinheiro

Do UOL, em São Paulo

25/04/2020 14h28

A Embraer afirmou que a norte-americana Boeing agiu indevidamente ao desistir da compra da divisão de jatos comerciais da empresa brasileira. Em nota, a Embraer disse que cumpriu todos os requisitos contratuais, mas que a Boeing decidiu cancelar o negócio "devido à falta de vontade em concluir a transação".

A Boeing tinha um acordo para comprar a divisão de jatos comerciais da Embraer por US$ 4,2 bilhões, mas anunciou hoje o cancelamento do negócio. Segundo a companhia norte-americana, ela exerceu o direito de rescindir o contrato porque a Embraer não atendeu a condições que foram acordadas. O prazo para fechar o negócio acabou nesta sexta (24).

Em nota, a Embraer acusa a Boeing de fabricar falsas alegações e adotar um padrão sistemático de atrasos e violações. A Embraer também aponta que o negócio foi cancelado por causa do "737 MAX e outros problemas comerciais e de reputação".

No momento, a aeroespacial americana enfrenta a maior crise da sua história. Além da retração no mercado de aviação por causa da pandemia de covid-19, a Boeing enfrenta problemas com a aeronave 737 MAX. O modelo apresentou problemas técnicos, causou acidentes fatais e teve a utilização suspensa no mundo todo.

Sindicato pede estatização e estabilidade de empregados

Com o fracasso da negociação internacional, o Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos (SindmetalSJC) cobra que a empresa de aviação brasileira seja estatizada e garanta estabilidade aos empregados. A empresa brasileira tem duas unidades de produção na região.

Segundo o SindimetalSJC, a negociação entre Embraer à Boeing foi marcada pelo desprezo aos interesses nacionais e dos trabalhadores. O sindicato considera que a fabricante de aeronaves atua em setor estratégico para o país e que não precisa de aliança com parceiros internacionais para sobreviver.

"Na transação que estava em curso, prevaleciam exclusivamente os interesses da Boeing, que pretendia sugar todo conhecimento e potencial da Embraer", afirmou em nota.

A Embraer nasceu como uma empresa estatal em 1969, mas foi privatizada durante o governo de Itamar Franco em 1994. O SindimetalSJC pede agora que o governo brasileiro retome o controle da empresa e garanta estabilidade dos trabalhadores.

O sindicato também pede que a Boeing indenize a Embraer em R$ 485 milhões, por causa dos gastos da brasileira durante as negociações.