PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Casal diz que teve R$ 2.025 do FGTS roubado por meio do aplicativo da Caixa

Viviane Lepsch/Zimel Press/Estadão Conteúdo
Imagem: Viviane Lepsch/Zimel Press/Estadão Conteúdo

Ricardo Marchesan

Do UOL, em São Paulo

30/09/2020 04h00

A especialista em marketing digital Camila Rocha teve uma surpresa desagradável quando foi a uma agência da Caixa no Rio de Janeiro. Ela tinha intenção de sacar todo o seu fundo de garantia, mas acabou descobrindo que ele estava R$ 980 menor —alguém tinha pego o valor, referente ao FGTS emergencial, em seu nome.

Para piorar, seu marido, que a acompanhava, também descobriu na mesma hora que tinha sofrido o golpe. No caso dele, levaram todo o valor de R$ 1.045 permitido no saque. No total, os dois perderam R$ 2.025.

Os dois não foram os únicos que passaram por isso. Há diversos trabalhadores que dizem que tiveram o valor usado indevidamente por meio do aplicativo Caixa Tem.

Os pagamentos do FGTS emergencial são feitos em duas etapas. Na primeira, o dinheiro foi depositado em poupança digital pelo Caixa Tem. Pelo app, é possível pagar contas, pagar boletos ou fazer compras por cartão virtual. Apenas na segunda etapa o valor é liberado para saques e transferências.

De acordo com os relatos, fraudadores fazem o cadastro no aplicativo da Caixa usando os dados da pessoa e realizam compras e pagamentos, antes que ela faça o primeiro acesso para usar o valor de até R$ 1.045.

Ela não sabia que podia sacar R$ 1.045

Camila Rocha nem sabia sobre a possibilidade de sacar os R$ 1.045 do FGTS emergencial. Como trabalha sem carteira assinada há algum tempo, sua conta no FGTS não recebia depósitos há mais de três anos. Assim, ela já poderia sacar todo o valor, de acordo com as regras do fundo.

Na agência, a atendente a informou de que ela estava com dados desatualizados, por isso não poderia retirar todo o valor da conta naquele momento, mas avisou sobre a possibilidade de pegar ao menos os R$ 1.045 referentes ao emergencial.

"Quando ela estava acessando a minha conta, ela falou: 'Você já usou esse benefício'. Eu respondi: 'Não usei, acabei de saber dele'", conta.

Seu marido, que é correntista da Caixa, foi com ela justamente por não estar conseguindo acessar o aplicativo Caixa Tem usando seu CPF —sem saber que o cadastro em seu nome já tinha sido feito por terceiros.

Na Caixa, eles puderam ver o extrato dos pagamentos realizados: uma compra em São Paulo feita com o dinheiro da conta dela, e dois boletos pagos com o dele.

O casal abriu um chamado na agência, para que o caso fosse averiguado, e ainda aguarda resposta.

Caixa não informa número de suspeitas de fraude

O UOL entrou em contato questionando quantos casos de fraudes do tipo já tinham sido constatados pelo banco, e quantas pessoas entraram com a reclamação no banco relativos a esse golpe. A assessoria de imprensa afirmou, porém, que não teria esses dados para divulgação.

Por meio de nota, afirmou que "colabora com os órgãos de segurança que atuam no combate a fraudes no Saque Emergencial do FGTS e demais benefícios sociais e esclarece que informações sobre eventos criminosos são repassadas exclusivamente às autoridades policiais".

Disse, ainda, que monitora casos suspeitos e bloqueia contas com indícios de fraude ou com inconsistências cadastrais.

O que fazer em caso de suspeita de fraude

O banco orienta que, em caso de saques indevidos, o beneficiário deve fazer a contestação diretamente em qualquer agência e, se a fraude for comprovada, o valor é devolvido.

A Caixa também disponibiliza uma página com dicas de segurança para evitar golpes.