PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Jornal: Petrobras contrariou ONS e desligou usina por risco 'catastrófico'

Sede da Petrobras no Rio de Janeiro  - Tânia Rêgo/Agência Brasil
Sede da Petrobras no Rio de Janeiro Imagem: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

25/09/2021 09h18

Documentos trocados entre a Petrobras, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) e o ONS (Operador Nacional do Sistema) mostram que a estatal desligou uma usina alegando risco de "falha catastrófica", apesar da decisão do ONS de manter a usina em funcionamento. As informações foram divulgadas pelo jornal "Estado de S. Paulo".

Segundo a publicação, no primeiro fim de semana de setembro, entre os dias 3 e 5, a Petrobras comunicou ao ONS que precisaria paralisar as operações de sua usina térmica de Três Lagoas (MS) porque tinha de fazer uma manutenção importante na estrutura.

Ao enviar a programação para o órgão, o ONS negou o pedido e declarou que "em função do cenário energético, com cargas elevadas e alto despacho térmico", tinha que manter a "máxima disponibilidade de unidades geradoras". A recomendação era de que a paralisação deveria ser realizada no feriado, entre 5 e 7 de setembro.

Em comunicados obtidos pelo jornal, a Petrobras alega que precisa realizar a paralisação por "recomendações do fabricante (dos equipamentos da usina) e da equipe de engenharia e, ainda, frente ao risco de falha catastrófica desta turbina".

O ONS é quem determina o que será gerado em cada uma das usinas em operação no Brasil e, devido ao nível baixo das hidrelétricas, o órgão tem exigido que usinas de geração térmica - a gás, diesel, biomassa e carvão - funcionem na capacidade máxima, o que pode sobrecarregar o sistema.

Ao jornal, a Petrobras afirmou que "solicitações de adiamento, postergação ou aprovação de paradas fazem parte da rotina operacional de relacionamento com o Operador Nacional do Sistema Elétrico".

Já o ONS informou, em nota, que, "como uma das ações para o enfrentamento da escassez hídrica solicitou, em julho deste ano, a todas as usinas geradoras que adiassem suas manutenções a fim de aumentar a disponibilidade de geração". Segundo o órgão, "cabe ao agente avaliar a viabilidade técnica e operacional de acatar a solicitação ou não".

PUBLICIDADE