PUBLICIDADE
IPCA
0,47 Mai.2022
Topo

Novo abono PIS/Pasep de até R$ 1.212 é liberado; veja se você recebe

Pagamentos a trabalhadores da iniciativa privada vão até 31 de março; a servidores, até 24 de março - Luís Lima Jr./Fotoarena/Estadão Conteúdo
Pagamentos a trabalhadores da iniciativa privada vão até 31 de março; a servidores, até 24 de março Imagem: Luís Lima Jr./Fotoarena/Estadão Conteúdo

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

15/03/2022 04h00Atualizada em 15/03/2022 12h22

Começa nesta terça-feira (15) o pagamento do abono salarial PIS (Programa de Integração Social) de até R$ 1.212, ano-base 2020, aos trabalhadores da iniciativa privada nascidos em julho. Também recebem hoje os servidores públicos com número de inscrição no Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) de final 6. (Veja calendário completo abaixo)

Os depósitos do abono começaram em 8 de fevereiro pelos trabalhadores do setor privado nascidos em janeiro. Desde então, já foram contemplados os aniversariantes de fevereiro, março, abril, maio e junho, além de todos aqueles que vivem em regiões da Bahia e de Minas Gerais afetadas pelas fortes chuvas, já que para este grupo não havia distinção pelo mês de nascimento.

O calendário de pagamentos se estende até 31 de março, no caso do PIS, e até 24 de março, no Pasep. Para os dois grupos, o prazo máximo para sacar o abono é 29 de dezembro de 2022.

Os repasses são feitos pela Caixa Econômica Federal (iniciativa privada) e pelo Banco do Brasil (servidores públicos).

Quem tem direito ao abono?

Têm direito a receber o abono todos os trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos que receberam até dois salários mínimos mensais, em média, em 2020. O cidadão também precisa ter inscrição no PIS ou no Pasep há pelo menos cinco anos.

No caso dos trabalhadores do setor privado, especificamente, também é preciso ter atuado com carteira assinada por no mínimo 30 dias em 2020.

Todos os cidadãos ainda precisam ter seus dados corretamente informados pelo empregador ao governo.

  • Veja as notícias do dia no UOL News com Fabíola Cidral:

Para confirmar se têm ou não direito ao abono em 2022, os trabalhadores podem acessar os canais do Ministério do Trabalho e Previdência (aplicativo Carteira de Trabalho Digital, site oficial ou telefone 158). No celular, basta:

  • abrir o aplicativo e clicar em "entrar";
  • inserir seu CPF e clicar em "continuar";
  • digitar sua senha de acesso e clicar em "entrar". Neste caso, a senha é aquela usada para acessar os portais gov.br. Caso ainda não tenha, você pode fazer o cadastro na hora;
  • clicar em "abono salarial" e depois "saiba mais".

Qual é o valor do benefício?

O valor do abono é proporcional ao período em que o trabalhador esteve empregado com carteira assinada em 2020. Cada mês trabalhado equivale a um benefício de R$ 101.

Portanto, para saber quanto irá receber, basta que o trabalhador multiplique o número de meses em que teve carteira assinada em 2020 por R$ 101. Períodos iguais ou superiores a 15 dias contam como um mês cheio.

O benefício máximo, equivalente a 12 meses de trabalho, é de um salário mínimo. Vale lembrar que a referência neste caso é o piso nacional vigente na data de pagamento, e não no ano-base. Ou seja: embora o salário mínimo fosse menor em 2020 (R$ 1.045), quem tiver direito ao abono máximo agora receberá R$ 1.212, que é o valor atual.

A consulta ao valor exato, segundo a Caixa, pode ser feita no aplicativo Caixa Tem ou pelo telefone 0800-726-0207 (Atendimento Caixa ao Cidadão). Se optar por usar o celular, o trabalhador precisa:

  • abrir o aplicativo Caixa Tem e inserir seu CPF e sua senha para entrar. Se for seu primeiro acesso, será preciso fazer um cadastro;
  • clicar em "não sou um robô";
  • abrir a lista de serviços disponíveis e clicar em "abono salarial". Lá, é possível consultar valores e ainda movimentar eventuais saldos existentes.

Já os servidores públicos podem checar os valores na opção "Consulte seu Pasep", no site do Banco do Brasil, ou entrar em contato com a Central de Atendimento pelos telefones 4004-0001 ou 0800 729 0001.