Chefe da Astra: 'Já pensei: Sou a única mulher da mesa, não posso chorar'

A empresária Ana Oliva Bologna, presidente da Astra e da Japi, disse em entrevista ao UOL Líderes que já passou por situações no trabalho em que pensou que não poderia chorar, pois era a única mulher na mesa. A Astra e a Japi vendem itens para a casa, com um portfólio que vai de tubos de PVC a banheiras, passando por assentos sanitários e vasos para plantas.

O que ela disse

Desafios por ser jovem e mulher em uma indústria masculina. Ela diz que foi muito testada quando assumiu o negócio da família. Também conta que, quando trabalhou no mercado financeiro, chegou a pensar que não poderia chorar, pois era a única mulher na mesa.

Meta é ter 40% de mulheres entre os funcionários. A empresária diz que busca dar suporte às mulheres, com um programa de orientação parental, salas de lactação nas fábricas e a meta de ampliar o número de mulheres entre os funcionários, de 30% para 40%. "Sendo uma indústria extremamente masculina, de material de construção, é um número bom", diz.

Problema não é o plástico, é o descarte dos descartáveis, diz. Muitos dos produtos da Astra e da Japi são feitos de plástico. Bologna diz que começou a medir a emissão de gases de efeito estufa em sua cadeia, e que o problema não é o plástico em si, mas a falta de conhecimento sobre o descarte correto dos plásticos descartáveis.

Produto reciclado tem custo maior e consumidor não está disposto a pagar. Ela também diz que um item feito de plástico reciclado tem um custo maior do que o feito com matéria-prima virgem. Mas que, nos Estados Unidos, por exemplo, o consumidor não está disposto a pagar mais por esses produtos. 'Espero que um dia esse mindset mude", diz.

Pessoas querem banheiro bonito e acessível. A empresária diz que, com a pandemia, as pessoas passaram a olhar mais para suas casas, e a querer ter produtos bonitos e acessíveis. As empresa do grupo buscam atender a essa demanda, com itens assinados por designers como Oswaldo Mellone e Rodrigo Ohtake.

Empresa aposta em móveis de plástico para exportação. O grupo está investindo em móveis de rotomoldagem, técnica de fabricação de itens de plástico, que permite ter peças leves e com bom acabamento. A Japi já vende vasos de rotomoldagem e agora a ideia é investir em outros produtos. O grupo abriu uma fábrica na República Dominicana focada nessas peças para exportação.

Você pode ver destaques da entrevista no vídeo acima ou ouvir a conversa na versão podcast, em plataformas como Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts, entre outras.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes