Não há no mundo fórmula rentável para venda online de alimentos, diz Assaí

Ainda não há solução eficaz para o e-commerce de alimentos, nem no Brasil e nem no mundo. É o que diz o CEO do Assaí Atacadista, Belmiro Gomes, em entrevista ao UOL Líderes.

O que ele disse

E-commerce de alimentos ainda é desafio no Brasil e no mundo. Belmiro destaca a eficácia do e-commerce em produtos de alto valor, como os eletrônicos, mas diz que o setor alimentar tem algumas complexidades. "São muitos produtos de escolha, de baixo valor agregado e perecíveis", diz. Segundo o executivo, o custo de entrega de alimentos às vezes pode superar o valor do próprio produto.

Um de cada quatro domicílios do Brasil compra em uma loja do Assaí. Na última década, o Assaí teve crescimento médio de 28% ao ano, diz o executivo. A partir de 2021, a rede teve uma expansão relevante, com a aquisição de lojas dos hipermercados Extra. O executivo cita ainda uma pesquisa da NielsenIQ, que indica que 24,4% dos domicílios fizeram compras no Assaí no 1º semestre de 2023.

Atacarejo já tem experiência de compra equivalente à do hipermercado. Gomes diz que a a experiência de compra já foi o calcanhar de Aquiles do atacarejo, mas que isso vem mudando. Segundo ele, nas lojas mais recentes, a experiência é semelhante à do hipermercado, assim como o sortimento de produtos. O executivo destaca ainda que há uma parcela relevante dos clientes que pertencem às classes A e B.

Mudança em regra de trabalho aos domingos e feriados resultaria em mais custos. Gomes comentou a possibilidade de mudança nas regras de trabalho aos domingos e feriados. Segundo ele, uma alteração, com necessidade de negociação com os sindicatos, pode resultar em mais custos para o consumidor final. O tema entrou em debate após uma portaria do Ministério do Trabalho, que foi suspensa após a gravação desta entrevista. O ministro Luiz Marinho disse que o tema será discutido por um grupo de trabalho e que a discussão envolve apenas o trabalho aos feriados.

De boia-fria a CEO. Belmiro falou sobre como sua história de vida influencia sua atuação à frente do Assaí. O executivo já trabalhou como vendedor de sorvetes e boia-fria. Para ele, esse histórico faz com que ele tenha empatia pelos funcionários e pelos clientes do Assaí que estão em busca de preço baixo. "Uma coisa é saber e outra coisa é ter passado e ter sentido", diz.

A entrevista foi gravada em 22 de novembro de 2023. Você pode assistir em vídeo no canal do UOL no YouTube ou ouvi-la no podcast UOL Líderes. Veja a seguir destaques da entrevista:

Supermercado pela internet

O e-commerce para algumas categorias é inegável. Produtos de alto valor agregado, não perecíveis. O setor alimentar tem algumas atipicidades. São muitos produtos de escolha, de baixo valor agregado e perecíveis. Ainda não tem uma fórmula, nem no Brasil, nem no mundo, para uma boa entrega de produto alimentar. Se você compra um eletrônico de R$ 100, e a empresa cobrar R$ 10 para entregar, você paga. Mas, se você comprar dois quilos de açúcar, que não valem R$ 10, e alguém cobrar R$ 10 para entregar, você não acha justo pagar. O custo da entrega de produtos alimentares pode ser até maior do que o próprio valor do produto.

Continua após a publicidade

Momento do Assaí

Na última década nós tivermos crescimento médio de 28% ano sobre ano. O atacarejo se tornou hoje o canal que mais abastece os lares brasileiros. Fora isso fizemos um movimento muito relevante em 2021, com a aquisição de lojas dos hipermercados do Extra. No ano passado [2022], tivemos 60 inaugurações. Em 2023, em torno de 30 novas unidades. Um de cada quatro domicílios do Brasil compra em uma loja do Assaí. São mais de 35 milhões de pessoas por mês, de todas as classes sociais.

Experiência de compra

Onde o atacarejo surgiu, na periferia da Grande São Paulo, você tem uma imagem de que podia dar preço bom, mas não dava uma experiência de compra muito boa, o que acabava sendo o calcanhar de Aquiles da operação. Mas já faz alguns anos que investimos em experiência de loja. As lojas mais recentes têm um nível de experiência que não perde para o hipermercado. O sortimento no atacarejo hoje é 98% do hipermercado. Houve uma evolução muito forte. Temos uma participação de classe AB dentro das lojas Assaí superior à da população brasileira.

Trabalho aos domingos e feriados

Se essa medida [do Ministério do Trabalho] acabar virando, ela vai resultar em mais custos. As pessoas não têm tanto tempo disponível para ir ao supermercado. Muitas vezes o sábado e o domingo é o único dia disponível para fazer compras. A negociação com os sindicados da forma como está proposto a gente vê como um pouco de retrocesso. Poderia gerar tanto custos como dificuldades. Em uma cidade consigo abrir, na outra não. Isso vai gerar mais custos e, nesse caso, o prejudicado é o consumidor final.

Continua após a publicidade

Nota da edição: Em 14 de novembro, o Ministério do Trabalho publicou uma portaria alterando uma decisão de 2021 que liberava de forma permanente o trabalho em feriados para uma lista de setores, em especial o comércio. A alteração gerou críticas e dúvidas sobre a possibilidade de a mudança afetar também o trabalho aos domingos. Em 22 de novembro, após a gravação desta entrevista, o ministro Luiz Marinho disse que a portaria sobre o tema seria refeita e passaria a valer a partir de 1º de março de 2024. Até lá, um grupo tripartite vai discutir o tema para chegar a um acordo. Ele disse ainda que houve confusão, e que o trabalho aos domingos não está em discussão, apenas o trabalho nos feriados.

De boia-fria a CEO

Eu tenho muito orgulho do meu histórico. De fato eu fui boia-fria, já fui sorveteiro. Passamos por dificuldades, isso cria uma empatia. É um setor difícil o comércio. Trabalha no sábado, no domingo, à noite. Então um dos lemas que temos é que o crescimento do Assaí signifique o crescimento das pessoas. Acho que tenho uma visão com um pouco mais de empatia, seja com os colaboradores de loja, seja com o público que nós atendemos. Quando o assunto é ligado às necessidades sociais e está sendo discutido por classes sociais mais abastadas, uma coisa é saber e outra coisa é ter passado e ter sentido.

Quem é Belmiro Gomes

Idade: 51 anos
Local de nascimento: Santo André, Grande São Paulo
Carreira: Começou a trabalhar vendendo sorvete, engraxando sapatos e como boia-fria. Trabalhou no Atacadão por 20 anos. Assumiu a presidência do Assaí em 2010.
Formação: Contabilidade pelo Instituto de Educação de Maringá

Assim é o Assaí

Foi fundado em 1974 em São Paulo. Em 2011 a rede foi comprada pelo Grupo Pão de Açúcar, que já tinha uma fatia do negócio. Em 2021, o Assaí passou a ser uma empresa separada do GPA.

Continua após a publicidade

Número de funcionários: Mais de 70 mil

Número de lojas: 280

Faturamento em 2022: R$ 59,7 bilhões
Faturamento em 2021: R$ 45,6 bilhões

Lucro líquido em 2022: R$ 1,2 bilhão
Lucro líquido em 2021: R$ 1,6 bilhão

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes