Grupo de 10 hotéis: Custo aéreo limita muito o crescimento do turismo

O custo aéreo hoje limita o desenvolvimento do turismo no Brasil. É o que diz Alessandro Cunha, CEO da Aviva, em entrevista ao UOL Líderes. A Aviva é dona dos complexos turísticos do Rio Quente, em Goiás, e da Costa do Sauípe, na Bahia, que juntos têm dez hotéis.

O que ele disse

Custo aéreo limita o desenvolvimento do turismo. Segundo o executivo, o país precisa de uma oferta maior de voos para reduzir os custos. Ele diz que a oferta de voos ainda não voltou aos patamares de 2019 e que há muita dependência de polos como São Paulo e Brasília, o que encarece as passagens. Com isso, o turista está viajando mais de carro: hoje, 90% dos clientes em Rio Quente viajam de carro.

Turismo chegou a um equilíbrio de preços e concorrência internacional voltou. Segundo Cunha, após um período de alta ao final da pandemia, o setor de turismo chegou a um equilíbrio de preços, e o consumidor está fazendo mais contas antes de viajar. Um fator importante é a volta da concorrência com destinos internacionais, que às vezes têm passagem mais barata do que alguns destinos nacionais.

Empresa vai investir R$ 1,2 bilhão em cinco anos. Cunha falou sobre os planos de investimento da Aviva, que devem chegar a R$ 1,2 bilhão nos próximos anos. Dentre eles estão a criação de um Hot Park em Sauípe, com investimento de R$ 300 milhões, e um clube exclusivo para sócios em Rio Quente, com investimento de R$ 200 milhões. Em 2024, a empresa deve abrir 300 vagas e, em cinco anos, espera criar mil novos empregos.

Clube de férias já é metade do faturamento da Aviva. A Aviva tem um clube de fidelidade, em que o cliente compra o direito de usar os complexos turísticos por um prazo de até 15 anos. A modalidade já responde por R$ 500 milhões em vendas ao ano, e ajudou a empresa a superar a pandemia. Em 2023, a Aviva recuperou o prejuízo acumulado na pandemia e teve faturamento de R$ 1 bilhão.

A entrevista foi gravada em 24 de novembro de 2023. Você pode ver os destaques no vídeo acima ou ouvir a conversa na versão podcast, em plataformas como Spotify, Apple Podcasts e Google Podcasts, entre outras.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes