ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Petrobras adia hibernação de fábricas de fertilizantes após pressão política

27/03/2018 19h58

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras adiou em 120 dias o prazo para iniciar a hibernação de fábricas de fertilizantes em Sergipe e na Bahia, o que anteriormente estava previsto para ocorrer até o fim do primeiro semestre, informou a companhia nesta terça-feira, após forte pressão dos Estados, que temem impactos nas economias locais.

A decisão pela hibernação das unidades, que consiste na parada de produção, com a adoção de medidas de conservação dos equipamentos, foi anunciada em 20 de março, como parte da estratégia da petroleira estatal de deixar o setor de fertilizantes.

O adiamento do processo, segundo a petroleira estatal informou em nota, foi anunciado durante audiência realizada nesta terça-feira na Câmara dos Deputados em Brasília, pelo presidente da Petrobras, Pedro Parente, e pelo diretor de Refino e Gás Natural, Jorge Celestino.

"A proposta é que sejam criadas comissões estaduais com representantes dos governos de Sergipe e Bahia, das federações das indústrias dos dois Estados e da Petrobras para avaliar alternativas para as fábricas", disse a empresa na nota.

Em 2017, segundo a Petrobras, ambas as unidades apresentaram resultados negativos-- a Fafen, na Bahia, teve prejuízo de cerca de 200 milhões de reais, enquanto a Fafen, no Sergipe, teve perdas de aproximadamente 600 milhões de reais.

"Estamos dispostos a conversar. Vamos negociar e queremos começar imediatamente. Gostaria muito de encontrar uma saída que atendesse a essa questão sem subsídios. É importante que os Estados engajem nessa discussão porque não vamos fazer com subsídios", disse Parente sobre a decisão de adiar a hibernação.

A fala de Parente fez referência à questão do preço do gás natural que é matéria-prima para as fábricas.

A decisão de hibernar as fábricas de fertilizantes, segundo a Petrobras, é parte do esforço da empresa para focar os investimentos em ativos que tenham menor risco e tragam mais retorno para a companhia.

A audiência desta terça-feira, de acordo com a Petrobras, contou com a presença do governador de Sergipe, Jackson Barreto, do vice-governador da Bahia, João Leão, do líder do governo na Câmara dos Deputados, André Moura, e do deputado José Carlos Aleluia.

(Por Marta Nogueira)

Mais Economia