Topo

China diz que abrirá ainda mais sua economia e critica protecionismo

John Geddie

12/11/2018 07h13

O primeiro-ministro da China, Li Keqiang, afirmou nesta segunda-feira (12) que Pequim vai abrir mais sua economia diante do aumento do protecionismo, no momento em que se encaminha para reuniões com líderes da região Ásia-Pacífica em Singapura.

As declarações de Li, em um artigo no jornal de Singapura Straits Times antes de sua chegada à cidade-Estado, acontecem no momento em que o primeiro-ministro de Singapura, Lee Hsien Loong, pede mais integração regional, dizendo que o multilateralismo está sob ameaça de pressões políticas.

"A China abriu suas portas ao mundo; nunca vamos fechá-las, mas abri-las ainda mais", disse Li no artigo, no qual pediu uma "economia mundial aberta" diante do "aumento do protecionismo e unilateralismo". Ele não se referiu diretamente à guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

Uma ausência notável nas reuniões desta semana é o presidente dos EUA, Donald Trump, que afirmou que vários acordos comerciais multilaterais existentes são injustos.

O vice-presidente norte-americano, Mike Pence, participará em vez de Trump, e o presidente russo, Vladimir Putin, o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi e o premiê japonês, Shinzo Abe, estão entre os esperados no encontro.

Economia