IPCA
0.19 Jul.2019
Topo

Moagem de cana do centro-sul cai abaixo de previsão; Unica cita perdas por geadas

24/07/2019 11h24

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) - A moagem de cana do centro-sul do Brasil na primeira quinzena de julho somou 40,9 milhões de toneladas, queda de 9,5% ante o mesmo período do ano passado, com impactos negativos na produção de etanol e açúcar, informou nesta quarta-feira a União da Indústria de Cana-de-açúcar (Unica), que também indicou perdas por geadas neste mês.

A produção de açúcar do centro-sul no período atingiu 1,94 milhão de toneladas, queda de 19% ante o mesmo período do ano passado, com usinas destinando mais cana para a fabricação de etanol (quase 64%), que tem remunerado mais que o adoçante. O volume produzido do combustível somou 2,17 bilhões de litros, redução de 9,86% na mesma comparação.

A moagem na principal região canavieira do mundo veio abaixo da projeção de pesquisa da S&P Global Platts, que apontou processamento de 41,90 milhões de toneladas. A produção de açúcar também ficou ligeiramente abaixo do esperado (2 milhões de toneladas), enquanto a fabricação de etanol ficou em linha com o levantamento.

"As condições climáticas observadas nessa primeira quinzena dificultaram a operacionalização da colheita em muitas regiões, prejudicando o processamento", explicou em nota o diretor técnico da Unica, Antonio de Padua Rodrigues, citando também perdas por geadas.

Levantamento da Unica feito em parceria com o Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) indicou que cerca de 400 mil hectares com cana foram impactados pelas geadas do início do mês no centro-sul.

"Dessa região, estima-se que aproximadamente 65% da área acometida ainda não havia sido colhida", disse a Unica, ressaltando que a proporção de área atingida pela geada varia entre as regiões produtoras.

A associação disse que, de forma geral, impactos mais relevantes das geadas foram vistos em Mato Grosso do Sul e Paraná, assim como na região sul do Estado de São Paulo. Áreas representativas com lavoura em Minas Gerais, norte de São Paulo e Goiás também foram prejudicadas, acrescentou a associação.

"Em algumas unidades produtoras, a geada chegou a impactar quase 50% da área cultivada", relatou Rodrigues, sem apontar uma perda global.

Nas áreas atingidas em que a lavoura já havia sido colhida, é esperado algum impacto na produtividade do próximo ciclo agrícola, nas lavouras recém-plantadas.

Nas regiões em que a cana não havia sido colhida, o prejuízo causado pela geada depende do estágio de desenvolvimento da lavoura atingida.

Isso porque, no caso de morte da gema apical situada no ápice da planta, é necessária a antecipação da colheita da área afetada, mesmo que a cana ainda não tenha atingido o estágio ideal de maturação e desenvolvimento, explicou a Unica.

"Na nossa visão, a área de cana adulta impactada pela geada poderá apresentar perda média de até 5 toneladas por hectare na produtividade esperada para essa safra", disse o diretor da Unica.

Além da perda de produtividade, nas unidades em que o impacto da geada foi relevante, existe a necessidade de redesenho do planejamento da colheita.

Como consequência dessa mudança, é esperada perda de qualidade da matéria-prima que não será processada no ponto ideal de maturação.

"A alteração no cronograma de colheita em algumas unidades deve comprometer a qualidade da cana colhida na safra 2019/2020. Esse aspecto pode reduzir ainda mais a concentração de ATR na planta, que já apresenta valor médio inferior ao do ano passado", destacou Rodrigues.

No acumulado desde o início da safra até 16 de julho de 2019, a concentração de ATR por tonelada de matéria-prima colhida atingiu 126,31 kg, contra 131,71 kg no ciclo 2018/2019. No comparativo quinzenal, a queda alcançou 4,89%, para 138,03 kg de ATR por tonelada.

No acumulado desde o início da safra até 16 de julho de 2019, a moagem alcançou 258,13 milhões de toneladas, recuo de quase 4% na comparação com o valor apurado em igual período no último ano. A produção de açúcar tem queda de 10,8%, para 10,86 milhões de toneladas, enquanto a de etanol recuou 5%, para 12,8 bilhões de litros.

Contudo, alguns grupos como a Usina Coruripe, um dos maiores do setor, não foram afetados pelas geadas. Segundo dados da empresa, a moagem total da companhia que atua em Minas Gerais atingiu no acumulado da safra até a primeira semana de julho 5 milhões de toneladas, cerca de 400 mil toneladas acima da meta, como resultado também de investimentos realizados.

Entre abril e junho, a produção de açúcar da Coruripe ficou 7,7% acima do esperado, atingindo cerca de 550 mil toneladas de açúcar.

Mais Economia