PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Bolsonaro diz que Macron mente e fala "besteira" sobre desmatamento por soja no Brasil

14.jan.2021 - Jair Bolsonaro (sem partido) com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, em live semanal transmitida pelas redes sociais - Reprodução/Redes sociais
14.jan.2021 - Jair Bolsonaro (sem partido) com o ministro da Saúde, general Eduardo Pazuello, em live semanal transmitida pelas redes sociais Imagem: Reprodução/Redes sociais

14/01/2021 21h08

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira que o presidente da França, Emmanuel Macron, fala "besteira" nas críticas que fez sobre o desmatamento no Brasil em razão do plantio de soja e, em tom de ironia, ofereceu mudas de árvores brasileiras para reflorestar o país europeu.

Na terça-feira, em uma rede social, Macron havia criticado novamente o desmatamento na Amazônia, que atribuiu à soja, e defendeu que a Europa cultive o produto por conta própria para não depender da produção do Brasil.

"A França produz de soja 20% que a cidade de Sorriso produz aqui em Mato Grosso, fica falando besteira aí o seu Macron, não conhece nem o seu país e fica dando pitaco aqui no Brasil. Essa é a politicalha deles", disse Bolsonaro, em uma transmissão pelas redes sociais.

"Não precisa dar dinheiro para nós não, nós vamos dar muda de árvore para você replantar aí, reflorestar aí, quer reflorestar o seu país nós estamos à disposição para colaborar nesse sentido", acrescentou Bolsonaro, que acusou Macron de mentir e pregar contra o Brasil.

A questão ambiental do Brasil têm ameaçado a conclusão do acordo de livre comércio entre a União Europeia e o Mercosul, à medida que países como a França acusam o governo brasileiro de ser leniente com o desmatamento.

Na véspera, o vice-presidente Hamilton Mourão, que também é coordenador do Conselho Nacional da Amazônia, já havia rebatido as críticas feitas por Macron.

Após dizer em francês que o mandatário daquele país não está bem, Mourão afirmou que ele desconhece a produção da oleaginosa no país e que essa produção é "ínfima" na Amazônia.