PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

Butantan quer resposta do ministério sobre lote adicional de vacinas "o quanto antes"

28/01/2021 09h51

SÃO PAULO (Reuters) - O Instituto Butantan disse nesta quarta-feira que espera "o quanto antes" uma resposta do Ministério da Saúde sobre o interesse na compra de um lote adicional de 54 milhões de doses da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, e disse não ser possível se limitar "à frieza da burocracia" em meio a uma pandemia.

O comunicado foi uma resposta à nota divulgada pelo ministério na noite de quarta, afirmando que tem exclusividade contratual na compra de doses da CoronaVac importadas e produzidas pelo Butantan e prazo até 30 de maio para manifestar interesse no lote adicional.

A nota do ministério, por sua vez, foi uma reação à declaração do presidente do Butantan, Dimas Covas, também na quarta, de que, se o ministério não manifestar interesse no lote adicional até o final desta semana, o instituto direcionará sua produção para a venda a países vizinhos.

"O Instituto Butantan informa que enviou, por meio de sua entidade de apoio - Fundação Butantan - ofício ao Ministério da Saúde para que possa planejar logisticamente a sua produção com a devida antecedência. Durante a urgência de uma pandemia, não é possível se limitar à frieza da burocracia enquanto as ações de combate ao coronavírus podem ser mais ágeis", disse o Butantan.

O contrato com o ministério prevê a entrega de 46 milhões de doses da CoronaVac à pasta até abril e uma opção para aquisição de mais 54 milhões de doses, totalizando 100 milhões.

"O Instituto espera que o Ministério se manifeste o quanto antes mantendo o seu compromisso de aquisição de 100 milhões de doses. A prioridade do Butantan é e sempre foi atender à demanda brasileira pela vacina contra o novo coronavírus", diz a nota.

Sobre a possibilidade de venda de doses da CoronaVac a outros países, o instituto afirmou que tem capacidade de produção de 40 milhões de doses extras para o mercado latino-americano.

(Edição de Aluísio Alves)

PUBLICIDADE