Pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA caem; mercado de trabalho ainda desacelera

WASHINGTON (Reuters) - O número de norte-americanos que entraram com novos pedidos de auxílio-desemprego caiu mais do que o esperado na semana passada, mas isso provavelmente não muda a visão de que o mercado de trabalho está desacelerando em meio a taxas de juros mais altas.

Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram em 24.000 na semana encerrada em 18 de novembro, para 209.000 em dado com ajuste sazonal, informou o Departamento do Trabalho nesta quarta-feira. Economistas consultados pela Reuters previam 226.000 pedidos para a última semana.

Os dados foram divulgados um dia antes do normal devido ao feriado do Dia de Ação de Graças na quinta-feira. O mercado de trabalho está esfriando gradualmente, uma vez que os custos mais altos de empréstimos reduzem a demanda.

A ata da reunião do Federal Reserve de 31 de outubro e 1º de novembro, publicada na terça-feira, mostrou que, embora as autoridades considerem que as condições do mercado de trabalho "permaneceram apertadas", eles observaram que "elas aliviaram desde o início do ano, em parte como resultado dos recentes aumentos na oferta de mão de obra".

Desde março de 2022, o Fed aumentou sua taxa de juros em 525 pontos-base, para a faixa atual de 5,25% a 5,50%.

(Reportagem de Lucia Mutikani)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes