Ibovespa fecha com alta discreta e caminha para melhor mês em três anos

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa fechou com um acréscimo discreto nesta segunda-feira, marcada pela fraqueza dos pregões em Wall Street, mas queda nos rendimentos dos Treasuries, enquanto a cena corporativa local dividiu atenções com dados de arrecadação do governo federal.

Índice de referência do mercado acionário brasileiro, o Ibovespa registrou variação positiva de 0,17 %, a 125.731,45 pontos. Na máxima do dia, chegou a 125.826,08 pontos. Na mínima, a 124.839,65 pontos.

O volume financeiro somou 20,5 bilhões de reais.

A relativa hesitação do Ibovespa ocorre após rali que deve garantir a novembro o melhor desempenho mensal em três anos, com o ganho acumulado até o momento em torno de 11%.

Em Nova York, o S&P 500 fechou com decréscimo de 0,2% e o Dow Jones cedeu 0,16%, enquanto o Nasdaq Composite encerrou com variação negativa de 0,07%. No mercado de dívida, o Treasury de 10 anos marcava 4,3865%.

A equipe da Mirae Asset chamou a atenção para a "agenda pesada" da semana nos Estados Unidos, com dados de PIB, o Livro Bege e o indicador de preços PCE, além de discursos do chair do Federal Reserve, Jerome Powell.

No Brasil, segundo a equipe da BB Investimentos, "com os desdobramentos no campo monetário nos EUA incorporados pelo mercado nas últimas semanas, o foco... retorna à pauta fiscal e seus impactos na curva de juros de longo prazo".

Assim, também ocuparam as atenções dados mostrando que a arrecadação do governo federal teve alta real de 0,10% em outubro ano a ano, a 215,602 bilhões de reais, um pouco acima da expectativa em pesquisa da Reuters, de 212,5 bilhões de reais.

Continua após a publicidade

De acordo com o economista Rafael Rondinelli, do Banco Modal, a arrecadação surpreendeu positivamente a expectativa do mercado, refletindo, principalmente, a reoneração de impostos de combustíveis ao longo do ano.

Ele, porém, espera que a arrecadação federal siga desacelerando até o final do ano em função do arrefecimento na economia, parcialmente compensado pelo bom desempenho do mercado de trabalho e medidas de aumento de arrecadação.

DESTAQUES

- YDUQS ON disparou 10,73%, a 21,25 reais, apoiada por relatório de analistas do JPMorgan elevando a recomendação da ação para "overweight". COGNA ON valorizou-se 7,19%, a 3,13 reais.

- LOCAWEB ON subiu 2,95%, a 5,94 reais, tendo no radar dados divulgados pela empresa fornecedora de sistemas e ferramentas para comércio eletrônico de que as vendas brutas associadas a sua plataforma cresceram 24,8% na Black Friday ante o mesmo período do ano passado. As vendas em lojas próprias de clientes subiram 28,2%.

- ALPARGATAS PN avançou 2,01%, a 9,12 reais, após reportagem do Valor Econômico citar que a dona da marca Havaianas deverá anunciar nas próximas semanas troca de comando na companhia. Após o fechamento, a Alpargatas informou que o processo de sucessão do presidente interino da companhia, Luiz Fernando Ziegler de Saint Edmond, não está concluído. No setor de varejo de vestuário, LOJAS RENNER ON subiu 2,13%, enquanto AREZZO ON valorizou-se 1,21%.

Continua após a publicidade

- ASSAÍ ON ganhou 2,59%, a 13,49 reais, em dia de evento da companhia com analistas e investidores. O grupo afirmou nesta segunda-feira que pretende abrir 15 lojas em 2024 e 20 lojas em 2025, enquanto tem atualmente 15 lojas em obras no país.

- BANCO DO BRASIL ON subiu 1,84%, a 51,90 reais, melhor desempenho entre os bancos do Ibovespa, após anunciar 976,866 milhões de reais em remuneração antecipada aos acionistas sob a forma de juros sobre o capital próprio (JCP). ITAÚ UNIBANCO PN encerrou com decréscimo de 0,26%, BRADESCO PN cedeu 0,62%, BTG PACTUAL UNIT avançou 1,35% e SANTANDER BRASIL UNIT perdeu 0,33%.

- AMERICANAS ON, que não faz parte do Ibovespa, terminou o dia em queda de 5,45%, a 1,04 real, revertendo o fôlego da abertura, quando chegou a disparar 11,8%, após anunciar que conseguiu de parte dos principais bancos credores da companhia apoio vinculante para o plano de recuperação judicial da empresa, além de crédito deste grupo de 1,5 bilhão de reais. A Americanas afirmou que esse grupo de "credores apoiadores" representa mais de 35% de sua dívida e é formado por Bradesco, BTG Pactual, Itaú Unibanco e Santander Brasil.

- ELETROBRAS ON subiu 2,00%, a 41,30 reais. O conselho de administração da companhia propôs aos acionistas da elétrica a incorporação da subsidiária Furnas, que será deliberada em assembleia em 29 de dezembro, "A incorporação de Furnas representa passo essencial à reorganização societária da Eletrobras conforme previsto no plano estratégico", argumentou.

- 3R PETROLEUM ON caiu 4,27%, a 30,73 reais, tendo ainda como componente negativo relatório de analistas do Goldman Sachs cortando a recomendação das ações para "venda". Ainda no setor, PRIO ON terminou em baixa de 2,10%, a 46,22 reais, e PETRORECONCAVO ON, que anunciou novo CEO a partir de 2024, perdeu 2,27%, a 18,97 reais.

- GPA ON cedeu 3,37%, a 3,44 reais. A companhia anunciou nesta segunda-feira que concluiu a venda de participação na Cnova ao Casino por 10 milhões de euros.

Continua após a publicidade

- HYPERA ON caiu 2,59%, a 33,41 reais, com analistas do Santander cortando a recomendação da ação para "neutra", avaliando que a empresa experimenta uma dinâmica volátil de resultados, carece de catalisadores orgânicos claros e enfrenta riscos em termos de incentivos fiscais.

- VIBRA ON recuou 2,43%, a 21,69 reais, após a Eneva apresentar uma proposta não vinculante de fusão com a empresa, em transação que mira a criação de uma gigante de energia ao agregar os negócios de exploração de gás natural e geração termelétrica e renovável à distribuição de combustíveis. ENEVA ON cedeu 2,52%, a 12,74 reais.

- VALE ON fechou em baixa de 0,60%, a 73,31 reais, no quarto pregão seguido de baixa, em dia de desempenho misto de futuros do minério de ferro na Ásia. O contrato mais negociado na Dalian Commodity Exchange (DCE), na China, encerrou o dia com alta de 0,36%, enquanto o vencimento de referência na Bolsa de Cingapura caiu 0,64%.

- PETROBRAS PN recuou 0,57%, a 35,07 reais, em meio à queda dos preços do petróleo no exterior, onde o Brent fechou com declínio de 0,74%. A companhia também informou nesta segunda-feira que o contrato para a venda da refinaria Lubrificantes e Derivados de Petróleo do Nordeste (Lubnor) e seus ativos logísticos foi rescindido.

Para ver as maiores altas do Ibovespa, clique em

Para ver as maiores baixas do Ibovespa, clique em

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes