Fundo japonês pouco conhecido assume árdua tarefa de recuperar a Toshiba

Por Anton Bridge e Makiko Yamazaki

TÓQUIO (Reuters) - Uma empresa de private equity pouco conhecida está prestes a assumir a tarefa mais difícil do mundo corporativo do Japão: recuperar a Toshiba.

A Japan Industrial Partners (JIP) está liderando uma aquisição de 14 bilhões de dólares que fará com que o conglomerado seja deslistado na quarta-feira, após 74 anos na bolsa de Tóquio.

Embora não seja um player global, a JIP tem construído silenciosamente um histórico ao destacar negócios de grandes fabricantes, como a divisão de laptops da Sony e a unidade de câmeras da Olympus.

Liderada por um ex-banqueiro, a empresa é conhecida por ser prática em suas aquisições, além de ser conhecida pelo rigor fiscal -- seus executivos viajam em classe econômica.

Na Toshiba, a JIP assume uma empresa expansiva, muito maior e mais complexa do que qualquer outra adquirida antes. Os riscos também são mais elevados: a Toshiba emprega cerca de 106 mil pessoas em setores que incluem baterias, chips, energia nuclear e defesa, tornando-se crucial para a segurança nacional.

Se a JIP conseguirá liderar uma recuperação ainda é uma questão em aberto, dados os danos sofridos pela Toshiba após uma década de escândalos.

A JIP, que se recusou a comentar para este artigo, divulgou poucos detalhes de seus planos, que incluem manter o atual presidente-executivo da Toshiba, Taro Shimada. É provável que as ações da Toshiba sejam listadas novamente dentro de alguns anos, disse o Nikkei Asia nesta terça-feira, citando o presidente cessante do conglomerado.

A Toshiba não quis comentar.

Continua após a publicidade

A JIP investiu mais de 600 bilhões de ienes (4,2 bilhões de dólares) em 30 negócios. Não está claro quanto de seu próprio dinheiro a empresa está investindo no acordo com a Toshiba.

O sucesso com a Toshiba dependerá da capacidade da nova administração de sair de negócios com margens baixas e descobrir como ganhar dinheiro com sua tecnologia avançada, disse Ulrike Schaede, professora de negócios japoneses na Universidade da Califórnia, San Diego. "Essa é provavelmente a grande questão: eles terão a visão e os recursos para fazer isso?"

(Reportagem de Anton Bridge, Makiko Yamazaki, Miho Uranaka e Maki Shiraki)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes