Contração do setor manufatureiro dos EUA desacelera em dezembro, diz ISM

WASHINGTON (Reuters) - O setor industrial dos Estados Unidos contraiu ainda mais em dezembro, embora o ritmo de declínio tenha diminuído em meio a uma modesta recuperação da produção e a uma melhora no emprego nas fábricas.

O Instituto de Gestão do Fornecimento (ISM, na sigla em inglês) informou nesta quarta-feira que seu PMI industrial aumentou para 47,4 no mês passado, depois de ficar inalterado em 46,7 por dois meses consecutivos.

Esse foi o 14º mês consecutivo em que o PMI ficou abaixo de 50, o que indica contração no setor industrial. Esse é o período mais longo desde o período de agosto de 2000 a janeiro de 2002.

Economistas consultados pela Reuters previam que o índice subiria para 47,1. De acordo com o ISM, uma leitura do PMI abaixo de 48,7 durante um período de tempo geralmente indica uma contração da economia em geral. Entretanto, o ISM e outras pesquisas industriais provavelmente exageram a fraqueza no setor.

Mas a economia continua a se expandir, crescendo a uma taxa anualizada de 4,9% no terceiro trimestre. As estimativas de crescimento para o trimestre de outubro a dezembro estão atualmente em um ritmo de 2,0%.

O subíndice de novos pedidos prospectivo da pesquisa ISM caiu de 48,3 em novembro para 47,1 no mês passado.

A produção nas fábricas se recuperou, com o subíndice chegando a 50,3, de 48,5 em novembro. A produção pode melhorar ainda mais, já que uma medida dos estoques dos clientes voltou a cair abaixo do nível 50.

Em novembro, vários fabricantes citaram a necessidade de reduzir os níveis de estoques.

A demanda fraca ajudou a reduzir ainda mais os preços na porta da fábrica, um sinal de que a deflação de mercadorias pode prevalecer por algum tempo. A medida de preços pagos pelos fabricantes, segundo a pesquisa, caiu para 45,2, de um pico em sete meses de 49,9 em novembro.

Continua após a publicidade

O emprego nas fábricas aumentou, embora tenha permanecido fraco em meio a atritos, congelamento de contratações e demissões em massa. O indicador de emprego nas fábricas da pesquisa subiu para 48,1, de 45,8 em novembro.

(Por Lucia Mutikani)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes