Hyundai Motor e Kia esperam alta de 2% nas vendas combinadas de automóveis em 2024

Por Heekyong Yang e Joyce Lee

SEUL (Reuters) - A sul-coreana Hyundai e a afiliada Kia Corp estimaram nesta quarta-feira que suas vendas globais combinadas aumentarão cerca de 2% em 2024, mesmo que as vendas do ano passado tenham ficado aquém da meta.

As duas montadoras venderam 7,3 milhões de veículos em 2023, cerca de 3% menos do que a sua meta combinada de 7,52 milhões, em grande parte devido a um ambiente econômico difícil, incluindo o aumento das taxas de juro e a inflação, o que empurrou os veículos para fora do alcance de alguns compradores.

As empresas disseram que estavam mirando vendas globais de 7,44 milhões de veículos este ano.

“A Hyundai planeja assumir a liderança na eletrificação e concentrar-se na otimização da rentabilidade, fortalecendo a sua infraestrutura global de produção de veículos elétricos (EV), estabelecendo estratégias de negócios flexíveis para se adaptar às mudanças do mercado e reforçando as capacidades preventivas de gestão de risco”, afirmou a Hyundai num comunicado.

A Kia vendeu 3,09 milhões de veículos globalmente em 2023, registrando um novo recorde anual de vendas globais, disse a empresa em comunicado. O melhor desempenho anual anterior da Kia foi em 2014, com vendas de 3,04 milhões de unidades.

A Hyundai pretende um aumento de 0,6% nas vendas globais anuais, para 4,24 milhões de veículos, enquanto a Kia estabeleceu a sua meta de vendas em 3,2 milhões de unidades, um aumento de cerca de 4% em relação ao ano passado.

"Parece que o objetivo da Hyundai aparenta ser mais conservador do que o da Kia... A Kia está preparada para lançar novos veículos elétricos este ano, mas precisamos levar em consideração como o recente crescimento lento das vendas globais de veículos elétricos se desdobrará", disse  Shin Yoon-chul, analista da Kiwoom Securities.

O presidente-executivo do Hyundai Motor Group, Euisun Chung, em seu discurso de Ano Novo nesta quarta-feira, enfatizou a satisfação do cliente e apelou a uma cultura corporativa de “preparação” para tomar decisões rápidas.

Continua após a publicidade

"A melhor estratégia é ganhar a confiança total dos nossos clientes, e não seguir rapidamente os nossos concorrentes... Para transformar estes desafios externos em oportunidades e alcançar um crescimento sustentável a longo prazo, devemos estar preparados", disse Chung no discurso.

(Reportagem de Heekyong Yang e Joyce Lee)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes