Agência dos EUA diz que Google deve negociar com sindicato de trabalhadores do YouTube

(Reuters) - O Google, empresa subsidiária da Alphabet, violou a lei trabalhista dos Estados Unidos ao se recusar a negociar com um sindicato que representa trabalhadores terceirizados do YouTube Music, conforme uma agência federal.

O Conselho Nacional de Relações Trabalhistas (NLRB, na sigla em inglês) rejeitou, em decisão na quarta-feira, as alegações do Google, que detém o YouTube, de que a companhia não deveria ser considerada a empregadora dos trabalhadores fornecidos pela empresa de recrutamento Cognizant Technology Solutions.

O grupo de trabalhadores da operação de conteúdo do YouTube Music votou, em abril do ano passado, por 41 a 0, a favor de se juntar ao sindicato Alphabet Workers Union, formado há três anos para organizar sindicalmente os funcionários da empresa.

A junta trabalhista manteve em junho os resultados da eleição, rejeitando a alegação do Google de que não tinha controle suficiente sobre os trabalhadores para ser considerado um "empregador conjunto", que precisa negociar com seu sindicato.

Uma vez que as decisões em casos de eleição não podem ser contestadas, o Google se recusou a negociar para levar o caso de volta ao NLRB.

O NLRB disse na quarta-feira que a empresa não levantou nenhuma questão nova que justificasse uma revisão.

O Google, em comunicado, afirmou que pedirá a um tribunal federal de apelações para revisar a decisão.

"Como já afirmamos anteriormente, não temos objeção alguma a que esses funcionários da Cognizant optem por formar um sindicato. Acreditamos simplesmente que é apropriado apenas que a Cognizant, como empregadora deles, participe das negociações coletivas", declarou a empresa.

O sindicato não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Daniel Wiessner em Albany, Nova York)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes