Concessionários estimam alta de 12% nas vendas de veículos em 2024 e esperam rever projeção para cima

SÃO PAULO (Reuters) -Por Alberto Alerigi Jr.,

SÃO PAULO, 4 Jan (Reuters) - As vendas de veículos novos no Brasil devem subir 12% este ano, para 2,58 milhões de unidades, mas a estimativa ainda poderá ser revista para cima em meados do ano, disse nesta quinta-feira o presidente da associação de concessionários Fenabrave, José Maurício Andreta Júnior.

"Espero estar errado sobre a projeção e acho que no meio do ano vamos refazer a projeção para mais", disse o dirigente em entrevista a jornalistas após apresentação dos números do setor em dezembro.

As vendas de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus novos no país no mês passado dispararam 14,6% ante dezembro de 2022 e subiram quase 17% sobre novembro, para 248,5 mil unidades. O volume foi o maior para um único mês desde dezembro de 2019, quando o setor emplacou 262,6 mil veículos.

"É um ano de PIB que deve crescer menos (que 2023), mas o mercado de veículos está se recuperando de uma retração de vários anos... por isso o otimismo", disse o diretor-executivo da Fenabrave, Marcelo Franciulli.

A expectativa da Fenabrave é maior que a da associação de montadoras, a Anfavea, que no mês passado projetou crescimento de 7% nas vendas deste ano, para 2,45 milhões de veículos.

O otimismo da Fenabrave vem embalado pela perspectiva de continuação do ciclo de queda de juros, ampliação do crédito, aumento da renda e medidas do governo de incentivo ao setor e ao restante da indústria, como o Programa Mover, anunciado via medida provisória pelo governo federal no final de dezembro, e também o projeto de lei da depreciação acelerada.

Questionado sobre o impacto para o setor automotivo das medidas, que ainda carecem de regulamentação ao longo dos próximos meses, Andreta Júnior elogiou a MP e o projeto de lei e afirmou que foram "as medidas que o governo podia tomar".

"Acho que estamos em um momento mágico para termos um ano sem as turbulências do ano passado, com cenário político mais calmo e com as regras claras do Mover", disse o presidente da Fenabrave, se referindo aos ataques golpistas ocorridos em Brasília em 8 de janeiro de 2023.

Continua após a publicidade

A última vez que as vendas de veículos novos no Brasil chegaram um pouco mais perto da marca de 3 milhões de unidades foi em 2019, quando foram emplacados cerca de 2,8 milhões de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus. De lá para cá o setor tem patinado no patamar de 2,1 milhões de unidades.

O recorde histórico ocorreu em 2012, com 3,8 milhões de veículos novos vendidos, quando a taxa de juros Selic estava em 7,25%, ante os atuais 11,75%. A capacidade de produção das montadoras no país é de cerca de 4,5 milhões de veículos por ano. Em 2023, os emplacamentos somaram 2,3 milhões de unidades, segundo a Fenabrave.

"O que vende automóvel é crédito", disse Andreta Júnior, citando que as vendas financiadas atualmente são 30% do total, "quando já foram de 70%".

"Temos um cenário bastante positivo de juros e câmbio, principalmente para o setor automotivo. O crédito está começando a voltar a subir... Se não tivermos nenhum susto maior, essa tendência se perpetua pelo ano e fecharemos 2024 com uma tendência de crédito crescente", disse Tereza Fernandez, da TF Consultoria, que assessora da Fenabrave em suas projeções.

SEGMENTOS

O segmento de carros e comerciais leves registrou emplacamentos de 236,6 mil veículos no mês passado, um crescimento de 17,3% ante novembro e de 17% na comparação anual.

Continua após a publicidade

Já o segmento de caminhões apurou vendas de 10.068 unidades em dezembro, avanço de 11,2% ante novembro, mas queda de 16,5% ante dezembro de 2022. Em ônibus, foram registradas 1.877 vendas no mês passado, queda de 3,45% ante novembro e recuo de quase 30% sobre dezembro do ano anterior.

A expectativa da Fenabrave para vendas de caminhões em 2024 é de crescimento de 10%, para 114.571 unidades, impulsionado pelo agronegócio. Para ônibus, a entidade projeta expansão de 20%, a 29.546 veículos, motivada pela licitação de cerca de 16 mil unidades para o Programa Caminho da Escola, além do cenário de eleições municipais, afirmaram os representantes da Fenabrave.

(Por Alberto Alerigi Jr., edição de Pedro Fonseca)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes