Cortes de empregos nos EUA diminuem em dezembro mas total em 2023 é o mais alto desde 2020

Por Amina Niasse

NOVA YORK (Reuters) - Os empregadores dos Estados Unidos diminuíram as demissões em massa em dezembro, com o menor número de cortes de pessoal anunciados desde julho, embora o total para todo o ano de 2023 tenha sido o mais alto desde 2020, quando surgiu a pandemia de Covid-19, mostrou um relatório publicado nesta quinta-feira.

Os cortes de pessoal anunciados totalizaram 34.817 em dezembro, uma queda de 24% em relação aos 45.510 de novembro, de acordo com dados divulgados pela empresa de recolocação Challenger, Gray & Christmas. As demissões anunciadas caíram 20% em relação a dezembro de 2022.

Para o ano, no entanto, as demissões praticamente dobraram em relação a 2022 para mais de 720.000. Esse foi o número mais alto desde 2020, quando mais de 2 milhões de cortes de pessoal foram registrados, segundo o relatório.

"As demissões começaram a se estabilizar e as contratações permaneceram estáveis ao final de 2023", disse Andy Challenger, especialista em local de trabalho e mão de obra e vice-presidente sênior da Challenger, Gray & Christmas, Inc.

"Dito isso, os custos trabalhistas estão altos. Os empregadores ainda estão extremamente cautelosos e em modo de corte de custos para 2024, portanto, o processo de contratação provavelmente será lento para muitos candidatos a emprego e os cortes continuarão no primeiro trimestre, embora em um ritmo mais fraco", disse Challenger.

Os setores de tecnologia e varejo anunciaram a maioria dos cortes de pessoal em 2023, com os empregadores citando com mais frequência a incerteza econômica e o fechamento de empresas, unidades ou lojas como motivos para as demissões.

Os empregadores do setor de tecnologia anunciaram 168.032 cortes de pessoal em uma base anual, um pouco abaixo do recorde do setor de 168.395 estabelecido em 2001.

(Reportagem de Amina Niasse)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes