Democratas e republicanos do Congresso dos EUA chegam a acordo sobre gastos

Por Kanishka Singh e Richard Cowan

WASHINGTON (Reuters) - Os principais democratas e republicanos do Congresso dos Estados Unidos chegaram no domingo a um acordo sobre gastos de 1,59 trilhão de dólares, o que abre caminho para que os parlamentares aprovem projetos de lei relativos ao dinheiro antes que o governo paralise este mês.

Desde o início do ano passado, os comitês de apropriações da Câmara dos Deputados e do Senado falharam em chegar a um acordo sobre os 12 projetos de lei anuais necessários para financiar o governo para o ano fiscal que começou em 1º de outubro, devido a divergências sobre o valor total do dinheiro a ser gasto.

Quando os parlamentares retornarem na segunda-feira após a pausa de fim de ano, esses painéis iniciarão negociações intensas sobre o valor que várias agências, desde os departamentos de Agricultura e Transporte até Segurança Interna e Saúde e Serviços Humanos, poderão gastar no ano fiscal que vai até 30 de setembro.

Eles têm um prazo até 19 de janeiro para que o primeiro conjunto de projetos de lei seja aprovado pelo Congresso e até 2 de fevereiro para os demais.

Já havia algumas discordâncias entre os dois partidos com relação ao que eles haviam concordado. O presidente republicano da Câmara, Mike Johnson, disse em um comunicado que o valor principal inclui 886 bilhões de dólares para defesa e 704 bilhões para gastos não relacionados à defesa.

Mas o líder democrata da maioria no Senado, Chuck Schumer, em uma declaração separada, disse que o valor dos gastos não relacionados à defesa será de 772,7 bilhões de dólares.

No mês passado, o Congresso autorizou 886 bilhões de dólares para o Departamento de Defesa neste ano fiscal, que o presidente democrata Joe Biden sancionou como lei. Agora, os parlamentares também vão definir os detalhes de como isso será distribuído.

O financiamento discricionário não relacionado à defesa "protegerá as principais prioridades domésticas, como benefícios para veteranos, assistência médica e assistência nutricional" dos cortes pretendidos por alguns republicanos, disseram Schumer e o líder democrata da Câmara, Hakeem Jeffries, em uma declaração conjunta.

Continua após a publicidade

Na primavera passada, Biden e o então presidente da Câmara, Kevin McCarthy, chegaram a um acordo sobre os 1,59 trilhão de dólares em gastos no ano fiscal de 2024, juntamente com um aumento na autoridade de empréstimo para evitar um calote histórico da dívida dos EUA.

Porém, imediatamente após a promulgação do acordo, houve uma briga por causa de um acordo separado e privado entre os dois sobre gastos adicionais não relacionados à defesa de cerca de 69 bilhões de dólares.

(Reportagem de Kanishka Singh, Richard Cowan, David Morgan e Jason Lange)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes