Ibovespa opera em queda acompanhando exterior negativo

Por Patricia Vilas Boas

SÃO PAULO (Reuters) - O índice da bolsa paulista recuava nesta terça-feira, endossado por viés negativo dos futuros acionários em Wall Street, em dia de agenda econômica esvaziada e com um mercado ainda cauteloso à medida que aguarda dados de inflação nos Estados Unidos previstos para esta semana.

As ações da Petrobras eram a principal contribuição positiva ao índice, enquanto Vale estava na ponta contrária, seguindo os preços das commodities.

Às 10h59, o Ibovespa caía 0,52%, a 131.734,77 pontos. O volume financeiro somava 2,3 bilhões de reais.

"Acredito bastante que é um acompanhamento de como tem sido o 'pre-market' nos EUA", afirmou o analista da Toro Investimentos, Helder Wakabayashi.

Os futuros dos índices acionários norte-americanos recuavam, após avançarem na sessão anterior, conforme agentes financeiros reduzem expectativas de um início antecipado de corte de juros.

Os Treasuries operavam em alta, com o rendimento do título de dez anos - referência global para decisões de investimento - subindo 3,00 pontos-base, a 4,0322%.

Wakabayashi acrescentou que na falta de alavancas significativas para os negócios a expectativa em torno dos juros norte-americanos tem influenciado o desempenho do Ibovespa.

Para o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Nicolas Borsoi, a agenda tranquila traz para o foco dos investidores para medidas arrecadatórias do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, para compensar uma prorrogação da desoneração da folha de pagamentos.

Continua após a publicidade

Líderes do Congresso se reúnem nesta terça-feira com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), para discutir a medida provisória que estabeleceu a reoneração gradual da folha. O líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), afirmou na véspera que a MP pode passar por modificações para ser aprovada.

DESTAQUES

- VALE ON caía 0,71%, a 73,74 reais, na esteira da quarta sessão consecutiva de queda do minério de ferro. O contrato de maio mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian (DCE) da China encerrou as negociações diurnas com queda de 0,25%, a 994 iuans (138,82 dólares) por tonelada, após recuo de 1,1% na segunda-feira.

- PETROBRAS PN avançava 0,55%, a 38,64 reais, diante da valorização dos preços do petróleo no mercado internacional, com o Brent em alta de 2,08%, em movimento de ajuste após queda de mais de 3% na véspera diante de cortes de preços pela Arábia Saudita e dúvidas sobre demanda.

- ITAÚ UNIBANCO PN perdia 0,39%, a 33,21 reais. BRADESCO PN caía 2,09%, a 16,40 reais. Ainda no setor, BANCO DO BRASIL ON caía 1,05%, a 54,77 reais.

- ELETROBRAS ON operava estável, a 41,06 reais. A companhia elétrica informou ao mercado na segunda-feira seu engajamento no processo arbitral que discute a ação direta de inconstitucionalidade (ADI) impetrada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Continua após a publicidade

- CARREFOUR ON perdia 1,42%, a 11,78 reais. Na véspera, o conselho de administração do varejista aprovou emissão de pelo menos 1 bilhão de reais em debêntures. O volume poderá ser incrementado em até 25% "caso haja exercício da opção de lote adicional no âmbito da emissão dos CRA", segundo o grupo.

- MAGAZINE LUIZA ON perdia 0,48%, a 2,08 reais, enquanto . As vendas no varejo nacional subiram 1,1% em dezembro ante o mesmo mês de 2022, segundo indicador da empresa de meios de pagamento Cielo divulgado nesta terça-feira.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes