SEC aprova ETFs de bitcoin nos EUA; decisão é divisor de águas para criptoativos

(Reuters) - A SEC, órgão que regula o mercado de capitais nos Estados Unidos, aprovou nesta quarta-feira os primeiros fundos negociados em bolsa (ETFs) listados nos EUA indexados ao bitcoin, disse o presidente do órgão, Gary Gensler.

A decisão é um divisor de águas para a maior criptomoeda do mundo e o setor de criptoativos como um todo.

A agência aprovou pedidos, incluindo de BlackRock, Ark Investments, 21Shares , Fidelity, Invesco e VanEck, entre outros, de acordo com um aviso em seu site. A expectativa é de que alguns produtos comecem a ser negociados já na quinta-feira.

Os produtos -- que estão sendo desenvolvidos há uma década -- são um divisor de águas para o bitcoin, oferecendo aos investidores institucionais e de varejo exposição à maior criptomoeda do mundo sem as acumular diretamente, e um grande impulso para um setor de criptoativos assolado por uma série de escândalos.

Os analistas do Standard Chartered disseram esta semana que os ETFs poderiam atrair de 50 bilhões a 100 bilhões de dólares somente este ano, elevando o preço do bitcoin para até 100.000 de dólares. Outros analistas disseram que os fluxos de entrada estarão mais próximos de 55 bilhões de dólares em cinco anos.

"É um grande ponto positivo para a institucionalização do bitcoin como uma classe de ativos", disse Andrew Bond, diretor administrativo e analista sênior de fintech da Rosenblatt Securities. "A aprovação do ETF legitimará ainda mais o bitcoin."

O bitcoin subiu mais de 70% nos últimos meses com a expectativa de que os ETFs para o ativo fossem aprovados.

O sinal verde marca uma reviravolta para a SEC, que durante uma década rejeitou os ETFs de bitcoin devido a preocupações de que pudessem ser facilmente manipulados.

As esperanças de que a SEC finalmente aprovasse os ETFs de bitcoin aumentaram no ano passado, depois que um tribunal federal de apelações norte-americano decidiu que a agência estava errada ao rejeitar um pedido da Grayscale Investments para converter seu existente Grayscale Bitcoin Trust (GBTC) em um ETF. Essa decisão forçou a agência a reexaminar sua posição.

Continua após a publicidade

Em comunicado, Gensler disse que, à luz da decisão judicial, aprovar os produtos era "o caminho mais sustentável a seguir", mas acrescentou que a agência não endossava o bitcoin, que é arriscado e volátil.

(Por Hannah Lang e Suzanne McGee; com reportagens adicionais de Chris Prentice, Douglas Gillison e Laura Matthews)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes