BCE mantém nuvem de incerteza sobre cortes de juros

(Reuters) - É provável que as taxas de juros do Banco Central Europeu saiam de seus patamares recordes este ano, mas as autoridades de política monetária mantiveram nesta terça-feira uma nuvem de incerteza sobre o momento das mudanças, mesmo com os investidores apostando em uma reversão precoce e agressiva da política monetária.

O BCE encerrou seu ciclo mais rápido de aumento de juros em setembro e, com a desaceleração acentuada da inflação, o debate está se concentrando cada vez mais no momento do primeiro corte na taxa de depósito de 4%, recorde do BCE.

As autoridades de política monetária que falaram nesta terça-feira expressaram uma ampla gama de opiniões, destacando a incerteza sobre as taxas de juros e a inflação, que surpreendeu tanto pela rapidez com que aumentou quanto pela rapidez com que diminuiu no período pós-pandemia.

O chefe do banco central português, Mario Centeno, disse que um corte na taxa de juros deve fazer parte da discussão e que nenhuma opção deve ser retirada da mesa.

"Quando chegar a hora, discutiremos os cortes nas taxas", disse Centeno à Reuters. "Se você me perguntar se este é o momento, acho que precisamos estar preparados para discutir todos os tópicos, e ser dependente de dados significa levar todos os dados em consideração."

Seus comentários foram feitos depois que uma série de conservadores, incluindo Isabel Schnabel, membro do conselho do BCE, e Joachim Nagel, chefe do banco central alemão, disseram que era muito cedo para ter essa conversa.

Enquanto isso, o finlandês Tuomas Valimaki defendeu a necessidade de esperar para garantir que o BCE não se precipite.

"É melhor esperar um pouco mais do que sair prematuramente desse nível restritivo e depois talvez ter de fazer uma reversão", disse Valimaki à Reuters. "Vejo uma clara necessidade de obter evidências suficientes de que estamos no caminho certo."

O chefe do banco central francês, François Villeroy de Galhau, foi ainda menos comprometido.

Continua após a publicidade

"A não ser que haja grandes surpresas -- olhamos para o Oriente Médio -- nosso próximo passo será um corte, provavelmente este ano. Não vou comentar sobre a temporada", disse Villeroy em um painel do Fórum Econômico Mundial.

As opiniões divergentes estão tornando difícil para os mercados avaliar para onde o BCE está indo, e as apostas dos investidores mudaram acentuadamente nas últimas semanas.

Atualmente, os mercados precificam seis cortes nas taxas para este ano, sendo que o primeiro movimento ocorrerá em março ou abril, um cronograma que algumas autoridades de política monetária rejeitaram abertamente por considerá-lo muito agressivo.

(Por Balazs Koranyi, Francesco Canepa, Anne Kauranen e Divya Chowdhury)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes