Dólar sobe em linha com exterior em meio a moderação no otimismo sobre juros

Por Luana Maria Benedito

SÃO PAULO (Reuters) - O dólar avançava frente ao real nos primeiros negócios desta terça-feira, em linha com os ganhos da divisa norte-americana no exterior conforme investidores moderavam suas expectativas de um corte de juros em março pelo Federal Reserve, buscando ainda proteção contra uma escalada nas tensões geopolíticas.

Às 10:14 (horário de Brasília), o dólar à vista avançava 0,54%, a 4,8930 reais na venda.

Na B3, às 10:14 (horário de Brasília), o contrato de dólar futuro de primeiro vencimento subia 0,78%, a 4,9020 reais.

"O dólar alcançou seu valor mais alto em um mês (contra uma cesta de pares fortes), à medida que autoridades dos bancos centrais resistiram às expectativas de cortes substanciais nas taxas de juros", disse a Guide Investimentos em nota.

Autoridades de política monetária mantiveram nesta terça-feira uma nuvem de incerteza sobre o momento das mudanças nos juros, mesmo com os investidores apostando em uma reversão precoce e agressiva da política monetária, o que desanimava os mercados globalmente.

A manutenção de juros altos por mais tempo nas economias avançadas tende a prejudicar a atratividade de divisas emergentes, como o real, uma vez que deixa moedas como o dólar e o euro --já preferidas por serem extremamente seguras-- mais rentáveis para investidores estrangeiros.

O índice do dólar contra seis moedas rivais avançava 0,55% por volta das 10h (de Brasília), em linha com salto nos rendimentos dos Treasuries, os títulos do governo dos EUA.

"A gente vê um estresse na curva de juros americana, indicando que isso, de alguma forma, é também uma espécie de fuga para o seguro; o mercado, não só aqui no Brasil, mas no mundo inteiro, está comprando dólar para se proteger, eventualmente, de um aumento nas tensões no Oriente Médio", disse Thiago Lourenço, operador da Manchester Investimentos.

Continua após a publicidade

A Guarda Revolucionária do Irã disse ter atacado a sede de espionagem de Israel na região semi-autônoma do Curdistão iraquiano, informou a mídia estatal na noite de segunda-feira, em uma área residencial próxima ao consulado dos EUA.

Os ataques ocorrem em meio a preocupações sobre a escalada de um conflito que se espalhou pelo Oriente Médio desde que a guerra entre Israel e o grupo islâmico palestino Hamas começou, em 7 de outubro.

No Brasil, o mercado deve ficar de olho em declarações do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, à tarde, após negociações com o presidente do Congresso, senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), sobre a Medida Provisória da reoneração da folha de pagamentos.

Na véspera, após reunião com o ministro e Pacheco, o líder do governo no Senado, Jaques Wagner (PT-BA), evitou revelar o andamento das negociações, mas ressaltou que não há pressa para a tomada de uma decisão.

Na véspera, o dólar à vista fechou o dia cotado a 4,8667 reais na venda, em alta de 0,21%.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes