Minério de ferro tem nova queda em Dalian após BC da China manter taxa de juros inalterada

(Reuters) - Os preços futuros do minério de ferro na China registraram sua oitava queda consecutiva nesta terça-feira, com os investidores desanimados depois da decisão do banco central chinês de pular um corte esperado nas taxas de juros.

O contrato de maio do minério de ferro mais negociado na Bolsa de Mercadorias de Dalian (DCE) da China fechou em queda de 0,6%, a 938,50 iuanes (130,65 dólares) a tonelada. No início da sessão, o contrato atingiu 924,50 iuanes, o valor mais fraco desde 20 de dezembro.

"Os preços do minério de ferro estavam relativamente superinflacionados, já que muitos fundos apostaram alto em uma recuperação impulsionada por estímulos que ocorreria mais cedo ou mais tarde", disse Atilla Widnell, diretor administrativo da Navigate Commodities, em Cingapura.

O contrato de minério de ferro de Dalian atingiu uma máxima em 3 de janeiro, a 1.025,50 iuanes.

"As divulgações de dados econômicos continuaram a ser decepcionantes, enquanto os mercados financeiros estão exigindo irracionalmente mais estímulos - mais recentemente, ficaram decepcionados com a decisão do banco central da China de manter inalterada a taxa de empréstimo de médio prazo de 1 ano", disse Widnell.

O banco central da China deixou a taxa de juros de médio prazo inalterada na segunda-feira, desafiando as expectativas do mercado de um corte.

Os preços do minério também foram pressionados por sinais de maior oferta.

As chegadas de minério de ferro nos 47 principais portos da China aumentaram 8,1% em relação à semana anterior, atingindo 30,91 milhões de toneladas no período de 8 a 14 de janeiro, 19% acima do nível registrado quase no mesmo período do ano anterior, mostraram dados da consultoria Mysteel na segunda-feira.

O minério de ferro de referência para fevereiro na Bolsa de Cingapura, no entanto, subia 0,3%, a 127,80 dólares por tonelada. O contrato se recuperou de uma baixa desde 6 de dezembro, de 125,45 dólares, atingida no início da sessão.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Mai Nguyen em Hanói)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes