Para muitos na China, economia parece estar em recessão

Por Casey Hall

XANGAI (Reuters) - Melody Zhang esperava iniciar uma carreira em propaganda estatal na China depois de mais de 100 candidaturas sem sucesso no setor de mídia. Com um número recorde de 2,6 milhões de pessoas concorrendo a 39.600 empregos no governo em meio a uma crise de desemprego entre os jovens, ela não conseguiu ser aprovada.

"Nascemos na era errada", disse a graduada de 24 anos da Universidade Renmin, a mais importante da China.

"Ninguém mais se preocupa com seus sonhos e ambições em uma crise econômica. A busca interminável por emprego é uma tortura."

Uma crise de confiança na economia está dissuadindo os consumidores de gastar e as empresas de contratar e investir, no que pode se tornar um mecanismo que corrói o potencial econômico de longo prazo da China.

A China cresceu 5,2% no ano passado, mais do que a maioria das grandes economias. Mas para os formados desempregados, os proprietários de imóveis que se sentem mais pobres porque seus apartamentos estão perdendo valor e os trabalhadores que ganham menos do que no ano anterior, a segunda maior economia do mundo parece estar encolhendo.

Zhu Tian, professor de economia da China Europe International Business School, em Xangai, diz que a definição de recessão que consta nos livros -- dois trimestres consecutivos de contração econômica -- não deveria se aplicar a um país em desenvolvimento que investe cerca de 40% de sua produção anualmente, o dobro do nível dos Estados Unidos.

"Estamos em uma recessão", disse Zhu. "Se você conversar com dez pessoas, sete dirão que tivemos um ano ruim."

"Acho que o governo não pode se dar a esse luxo. Isso não pode continuar para sempre", disse ele, pedindo mais medidas de estímulo para romper o que poderia ser um "ciclo vicioso" de baixa confiança que afetará principalmente os jovens que estão entrando no mercado de trabalho.

Continua após a publicidade

ASPIRAÇÕES EM EXTINÇÃO

Mais de um em cada quatro dos cerca de 100 milhões de chineses com idade entre 16 e 24 anos estava desempregado em junho, mostrou o último dado antes de as autoridades suspenderem a série. A China retomou a publicação dos dados na quarta-feira, excluindo os estudantes universitários, para colocar o desemprego entre os jovens em 14,9% em dezembro.

A Geração Z da China é a mais pessimista de todos os grupos etários, segundo pesquisas.

Aqueles que encontram emprego ganham menos do que esperavam, pois as empresas cortaram custos em resposta à fraca demanda interna. A empresa de recrutamento Zhaopin descobriu que o salário médio oferecido pelos empregadores nas 38 maiores cidades da China caiu 1,3% em relação ao ano anterior no quarto trimestre.

Para uma economia que expandiu cerca de 60 vezes em termos de dólares desde a década de 1980, essa é uma mudança histórica de humor. Esse sucesso foi alcançado, em grande parte, por meio de investimentos gigantescos em manufatura e infraestrutura, mas esse modelo começou a produzir mais dívidas do que crescimento há cerca de uma década, com o total de empréstimos agora atingindo níveis que a China luta para atender.

Enquanto isso, a China treinou seus alunos para empregos altamente qualificados no setor de serviços, em vez de trabalhar em fábricas ou na construção civil. O consumo doméstico moderado e as repressões regulatórias nos setores financeiro, tecnológico e educacional diminuíram suas oportunidades.

Continua após a publicidade

Janice Zhang, 34 anos, trabalhou no setor de tecnologia até o final de 2022, quando pediu demissão para atender a uma emergência familiar, confiante de que poderia facilmente encontrar um novo emprego devido à sua experiência e educação nos EUA.

Mas Zhang só encontrou um cargo de marketing de mídia social, que exigia que ela trabalhasse em turnos de 15 horas, então ela desistiu depois de pouco tempo.

A situação da economia a faz se sentir como um "grão de areia na praia", incapaz de controlar seu próprio destino, disse ela.

"Na China, essa palavra 'aspiração' tem motivado todos, porque eles acreditam que amanhã será o melhor momento. O que estou tentando conquistar em minha vida agora é, de certa forma, curar a decepção que o amanhã trará."

CRISE IMOBILIÁRIA

Vincent Li, proprietário de uma cafeteria de alto padrão em Xangai, levou um golpe duplo que, segundo ele, o tirou da classe média.

Continua após a publicidade

Como os chineses cortaram gastos, eles preferem café mais barato. E os dois apartamentos que ele comprou por 4 milhões de iuanes (558.612 dólares) em 2017 na turística ilha de Hainan não atraíram nenhum interesse de aluguel ou compra em três anos.

"O mercado imobiliário está saturado", disse Li.

O setor imobiliário, que foi responsável por cerca de um quarto da atividade econômica em seu auge, agora é visto como uma ameaça importante para as tentativas da China de escapar da armadilha da renda média.

"O grande risco é que as consequências da diminuição das antigas fontes de crescimento possam se tornar grandes demais para serem contidas e inibir novas fontes de crescimento. Se isso acontecer, a China pode ficar presa na transição", disse Yuen Yuen Ang, presidente da cadeira Alfred Chandler de Economia Política da Universidade Johns Hopkins.

Não são apenas as políticas internas que afetam a vida na China. As tensões diplomáticas com o Ocidente sobre Taiwan, Ucrânia e o Mar do Sul da China contribuíram para o primeiro déficit de investimento estrangeiro da história.

Ao mesmo tempo, as restrições tecnológicas impostas pelos EUA à China impedem que a consultoria de David Fincher em Xangai faça negócios com semicondutores de ponta, bloqueando uma importante fonte de renda.

Continua após a publicidade

Ele está pensando em se mudar para o exterior, temendo que mais tensões diplomáticas ou novas mudanças regulatórias de Pequim possam tornar seu negócio insustentável.

"Você se sente como uma lagosta em uma panela", disse Fincher. "A água fica cada vez mais quente e você fica lá sentado"

"Eu me preocupo com Pequim tanto quanto todo mundo."

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes