Vendas de moradias usadas nos EUA caem em dezembro, mas oferta mostra sinais de melhora

WASHINGTON (Reuters) - As vendas de imóveis residenciais usados nos Estados Unidos caíram em dezembro para o nível mais baixo em quase 13 anos e meio, mas uma recuperação pode estar prevista para este ano, à medida que as taxas de hipoteca diminuem e o estoque de imóveis mostra sinais de melhora.

As vendas de moradias usadas caíram 1,0% no mês passado, para uma taxa anual ajustada sazonalmente de 3,78 milhões de unidades, o nível mais baixo desde agosto de 2010, informou a Associação Nacional de Corretores de Imóveis nesta sexta-feira. Economistas consultados pela Reuters previam que as vendas de residências permaneceriam inalteradas.

As revendas de moradias são contadas no fechamento de um contrato. As vendas em dezembro provavelmente refletiram os contratos assinados nos dois meses anteriores, quando a taxa média da popular hipoteca de taxa fixa de 30 anos ficou acima de 7,0%.

A taxa média das hipotecas com taxa fixa de 30 anos foi de 6,60% esta semana, mínima em oito meses, em comparação com 6,66% na semana anterior, de acordo com dados da agência de financiamento hipotecário Freddie Mac. Isso poderia impulsionar as revendas de casas nos próximos meses, junto com o aumento constante da oferta.

"As vendas do último mês parecem estar no fundo do poço antes de, inevitavelmente, aumentarem no ano novo", disse Lawrence Yun, economista-chefe da NAR. "As taxas hipotecárias estão significativamente mais baixas em comparação com apenas dois meses atrás, e espera-se que mais estoques apareçam no mercado nos próximos meses."

As vendas caíram no Sul, densamente povoado, e no Meio-Oeste, que é considerado a região mais acessível. Elas aumentaram no Oeste e permaneceram inalteradas no Nordeste.

As revendas de moradias, que representam uma grande parte das vendas de residências nos EUA, caíram 18,7% para 4,09 milhões de unidades em 2023, o nível mais baixo desde 1995.

O governo informou na quinta-feira que as licenças para futuras construções de residências unifamiliares aumentaram em dezembro para o nível mais alto desde maio de 2022, enquanto a conclusão de moradias foi a mais alta em 13 meses, o que poderia ajudar a aumentar a oferta.

(Por Lucia Mutikani)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes