China desafia sanções e torna Rússia seu maior fornecedor de petróleo em 2023

Por Andrew Hayley

PEQUIM (Reuters) - A Rússia ultrapassou a Arábia Saudita e se tornou o principal fornecedor de petróleo bruto da China em 2023, segundo dados divulgados no sábado, enquanto o maior importador de petróleo bruto do mundo desafia as sanções ocidentais para comprar grandes quantidades de petróleo com desconto para suas unidades de processamento.

A Rússia enviou um recorde de 107,02 milhões de toneladas de petróleo bruto para a China no ano passado, o equivalente a 2,14 milhões de barris por dia (bpd), segundo dados da alfândega chinesa, muito mais do que outros grandes exportadores de petróleo, como a Arábia Saudita e o Iraque.

As importações da Arábia Saudita, até então o maior fornecedor da China, caíram 1,8%, para 85,96 milhões de toneladas, já que o gigante do petróleo do Oriente Médio perdeu participação no mercado para o petróleo bruto russo, mais barato.

Evitado por muitos compradores internacionais após as sanções ocidentais devido à invasão da Ucrânia por Moscou em 2022, o petróleo russo foi negociado com descontos significativos em relação às referências internacionais durante grande parte do ano passado, em meio a um teto de preços imposto pelo Ocidente.

A aceleração da demanda por petróleo com desconto por parte das refinarias chinesas e indianas aumentou o preço do petróleo russo ESPO durante 2023, excedendo o limite de preço de 60 dólares por barril imposto pelo Grupo dos Sete (G7) em dezembro de 2022, à medida que proliferavam opções alternativas de transporte e seguro para contornar as sanções.

As cargas de petróleo bruto da ESPO para entrega em dezembro foram negociadas com um desconto entre 50 e 20 centavos de dólar por barril em relação à referência ICE Brent, em comparação com um prêmio de 1 dólar para cargas para entrega em outubro e um desconto de 8,50 dólares para cargas para entrega em março, de acordo com fontes comerciais.

Ao mesmo tempo, a Arábia Saudita aumentou os preços de seu benchmark Arab Light a partir de julho, levando algumas refinarias a buscar cargas mais baratas.

O total de importações de petróleo bruto da China para 2023 subiu para um recorde de 563,99 milhões de toneladas, equivalente a 11,28 milhões de bpd.

Continua após a publicidade

(Reportagem de Andrew Hayley em Pequim e Muyu Xu em Cingapura)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes