Agência dos EUA pede mais inspeções em 737s da Boeing após relatos sobre parafusos

Por David Shepardson

WASHINGTON (Reuters) - A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) recomendou que as companhias aéreas que operam jatos Boeing 737-900ER inspecionem os plugues das portas para garantir que estejam devidamente fixados, depois que algumas operadoras relataram problemas não especificados com os parafusos durante as inspeções.

A recomendação, emitida na noite de domingo, segue-se à paralisação de 171 aviões Boeing 737 MAX 9 por determinação da FAA após um plugue de porta de um jato MAX 9 com oito semanas de uso, operado pela Alaska Airlines, se desprender da aeronave em pleno voo no dia 5 de janeiro.

As ações da Boeing caíram 2,5% nas negociações pré-mercado nesta segunda-feira. Elas caíram 17,5% desde o início do ano.

O 737-900ER não faz parte da frota MAX mais recente, mas tem o mesmo design de plugue de porta opcional que permite a adição de uma porta de saída de emergência extra quando as companhias aéreas optam por instalar mais assentos.

Há 490 jatos Boeing 737-900ER em serviço, dos quais pelo menos 79 têm uma porta ativa em vez do plugue, porque são operados por companhias aéreas de baixo custo com cabines mais densas, de acordo com dados da Cirium.

Em seu novo "Alerta de Segurança para Operadores", a FAA afirmou que algumas companhias aéreas realizaram inspeções adicionais nos plugues da porta de saída intermediária do 737-900ER e observaram "achados com parafusos durante as inspeções de manutenção".

A FAA recomendou que as companhias aéreas executassem partes importantes de um procedimento de manutenção do conjunto do plugue da fuselagem relacionadas aos quatro parafusos usados para prender o plugue da porta à fuselagem "o mais rápido possível".

Um porta-voz da Boeing disse: "Apoiamos totalmente a FAA e nossos clientes nessa ação".

Continua após a publicidade

A Boeing entregou o 737-900ER pela primeira vez em 2007 e o último em 2019.

A Alaska Airlines e a United Airlines, as duas únicas companhias aéreas dos EUA que usam o MAX 9, disseram este mês que encontraram peças soltas em várias aeronaves MAX 9 que pararam de operar durante verificações preliminares. Elas tiveram que cancelar milhares de voos este mês por causa da paralisação das aeronaves.

No domingo, a FAA disse que os aviões MAX 9 permanecerão em terra até que ela "esteja convencida de que eles são seguros para retornar ao serviço".

A United disse que estava estendendo o cancelamento de seus voos MAX 9 até 26 de janeiro. A Alaska, que opera aviões MAX 9, representando 20% de sua frota, cancelou anteriormente todos os voos até domingo. A companhia aérea não comentou imediatamente por quanto tempo planejava estender os cancelamentos.

POUCAS INTERRUPÇÕES OBSERVADAS NO 900ER

Em contraste com o MAX 9 -- um avião novo com um número baixo de voos -- que teve o problema com o plugue da porta, as aeronaves Boeing 737-900ER têm mais de 11 milhões de horas de operação e 3,9 milhões de ciclos de voo.

Continua após a publicidade

A FAA disse que o plugue da porta "não tem sido um problema com esse modelo".

Tanto a United quanto a Alaska disseram que começaram a inspecionar os plugues das portas em suas frotas de 737-900ER.

A United, que tem 136 aeronaves 737-900ER, espera que as inspeções "sejam concluídas nos próximos dias, sem interrupção para nossos clientes".

A Alaska disse que suas inspeções começaram há vários dias, sem nenhuma descoberta até o momento. Ela espera concluir o restante de suas inspeções sem interrupções.

A Delta Air Lines, a maior operadora do 900ER, disse que optou por tomar "medidas proativas" para inspecionar sua frota. A empresa não espera nenhum impacto operacional.

Um porta-voz da Korean Air, que tem seis 737-900ERs, disse que planejava realizar inspeções adicionais e concluí-las em 30 dias sem nenhuma interrupção do cronograma.

Continua após a publicidade

Globalmente, as três companhias aéreas dos EUA operam a grande maioria dos 737-900ERs com os plugues de porta.

Na quarta-feira, a FAA informou que as inspeções de um grupo inicial de 40 jatos Boeing 737 MAX 9 haviam sido concluídas, um obstáculo fundamental para o fim do veto ao modelo. A FAA continua a analisar os dados dessas inspeções antes de decidir quando os aviões poderão retomar os voos.

O administrador da FAA, Mike Whitaker, disse à Reuters este mês que a FAA estava "passando por um processo para descobrir como restaurar a confiança na integridade dessas portas de encaixe".

Na semana passada, a presidente do National Transportation Safety Board (NTSB), dos EUA, Jennifer Homendy, disse que a agência investigativa estaria analisando vários registros relacionados ao plugue da porta. Ela disse que não está claro se os parafusos do jato da Alaska Airlines foram devidamente fixados ou se foram de fato instalados.

(Reportagem de David Shepardson; Reportagem adicional de Lisa Barrington, Tim Hepher e Abhijith Ganapavaram)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes