Sindicato do BCE diz que funcionários não acham que Lagarde é pessoa certa para dirigir banco central

Por Francesco Canepa

FRANKFURT (Reuters) - O sindicato que representa os funcionários do Banco Central Europeu (BCE) afirma que a maioria dos funcionários da instituição acredita que Christine Lagarde não é a pessoa certa para dirigir a autoridade monetária, de acordo com uma pesquisa realizada.

A pesquisa da Organização Internacional e Europeia de Serviços Públicos (IPSO) mostrou que a confiança dos funcionários em toda a equipe de alta gerência do BCE era menor do que há um ano, com quase 60% expressando uma opinião negativa.

Realizada para coincidir com a metade do mandato de oito anos de Lagarde como presidente e divulgada nesta segunda-feira, a pesquisa do sindicato mostrou que os funcionários do BCE estão preocupados principalmente com questões como remuneração e condições de trabalho.

Entretanto, o IPSO disse que cerca de metade dos que responderam expressaram dúvidas sobre o histórico de Lagarde no combate à inflação, o principal objetivo do BCE.

Lagarde e outros formuladores de políticas do BCE tiveram que lidar com um forte aumento nos preços, alimentado em parte pela guerra na Ucrânia e seu impacto sobre os preços da energia -- um aumento também imprevisto por muitos outros bancos centrais e economistas.

Um porta-voz do BCE disse que a pesquisa tinha falhas e incluía tópicos "pelos quais a Diretoria Executiva ou o Conselho do BCE, e não apenas o presidente, é responsável e que não são da alçada da IPSO".

O BCE disse que sua presidente e sua diretoria "estão totalmente concentrados em seu mandato e implementaram políticas para responder a eventos sem precedentes nos últimos anos, como a pandemia e as guerras".

As queixas organizacionais foram uma constante nas pesquisas da IPSO durante a gestão dos dois antecessores imediatos de Lagarde, Mario Draghi e Jean-Claude Trichet, mas os dois receberam avaliações positivas dos funcionários sobre seu desempenho como presidentes de bancos centrais.

Continua após a publicidade

A IPSO disse que quase 64% dos cerca de 1.100 entrevistados da pesquisa achavam que Lagarde não havia melhorado a reputação do BCE, sem especificar mais.

Em pesquisas de despedida realizadas sobre Draghi e Trichet, mais de 70% consideraram que eles haviam melhorado a reputação do banco, apesar das objeções sobre outras questões. A IPSO não realizou pesquisas intermediárias sobre a dupla.

Dos três presidentes do BCE, apenas Lagarde teve que lidar com um período de inflação global sustentada, que prejudicou os padrões de vida dos trabalhadores, inclusive os do BCE.

O BCE emprega mais de 3.500 pessoas que elegeram representantes da IPSO para seis dos nove assentos no comitê de funcionários do banco.

BCE CRITICA PESQUISA

Cerca de 53,5% dos participantes da pesquisa consideraram que Lagarde, ex-diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), não era a presidente certa para o BCE no momento atual, enquanto 22,8% disseram que ela era e 23,8% não souberam dizer. Essa foi a primeira vez que a equipe chegou a essa conclusão sobre o líder do banco central, de acordo com a IPSO.

Continua após a publicidade

Sem experiência em bancos centrais, ao contrário de seus antecessores, a nomeação de Lagarde como presidente do BCE em 2019 foi questionada na época por alguns analistas e políticos.

A confiança na Diretoria Executiva do BCE, que também inclui o vice-presidente Luis de Guindos e quatro outros membros, foi classificada como inexistente ou baixa por 59% dos entrevistados -- em comparação com 40% em uma pesquisa realizada um ano antes.

O BCE disse que parece que a pesquisa da IPSO "poderia ser preenchida várias vezes pela mesma pessoa", uma crítica que também havia feito às pesquisas anteriores do sindicato. Ele ressaltou que suas próprias pesquisas obtêm cerca de 3.000 respostas.

Em uma dessas pesquisas do BCE, realizada em 2022, 83% dos quase 3.000 entrevistados disseram ter orgulho de trabalhar para o BCE e 72% o recomendariam.

A IPSO disse que "não detectou nenhuma atividade suspeita" em sua pesquisa e que pelo menos 91,5% das respostas foram feitas de dentro do BCE com base em seu endereço de protocolo de Internet (IP). A IPSO estava confiante de que os resultados transmitiam uma imagem justa das opiniões dos funcionários.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora