Inflação da zona do euro desacelera em janeiro, mas núcleo pode decepcionar

FRANKFURT (Reuters) - A inflação da zona do euro desacelerou conforme o esperado no mês passado, mas as pressões subjacentes dos preços caíram menos do que o previsto, provavelmente reforçando o argumento do Banco Central Europeu de que os cortes nos juros não devem ser apressados, mesmo que o próximo passo ainda seja o afrouxamento.

A inflação anual ao consumidor nos 20 países que usam o euro caiu para 2,8% em janeiro, de 2,9% em dezembro, em linha com as expectativas e aproximando-se da meta de 2% do próprio BCE, mostraram nesta quinta-feira dados da Eurostat, a agência de estatísticas da UE.

O crescimento dos preços, agora muito distante de seu pico em território de dois dígitos no final de 2022, caiu com a desaceleração da inflação de alimentos não processados, energia e produtos industriais.

No entanto, a alta do núcleo do índice, uma medida importante observada pelo BCE porque exclui os custos voláteis de alimentos e energia, caiu apenas de 3,4% para 3,3% e ficou acima das previsões de 3,2%.

A leve decepção ocorreu porque a inflação de serviços se manteve em 4,0%, indicando pressões persistentes sobre os preços, principalmente dos salários.

Embora o BCE tenha sido inflexível na semana passada, afirmando que um corte nas taxas de juros nem sequer está sendo discutido, as autoridades estão parecendo cada vez mais confiantes de que a inflação está sob controle, sugerindo que o banco está se aproximando de um ciclo de afrouxamento monetário.

Os investidores agora veem uma combinação de 142 pontos-base de cortes nas taxas este ano, com a primeira em abril quase totalmente precificada. Os mercados, então, veem o BCE cortando os juros em cada reunião deste ano.

(Reportagem de Balazs Koranyi)

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes