Ibovespa recua pressionado por Bradesco

Por Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) - O Ibovespa recuava nesta quarta-feira, pressionado pelo tombo das ações do Bradesco após o resultado trimestral frustrar previsões de analistas, que também consideraram fracas as projeções do banco para 2024 e ainda avaliavam o novo plano estratégico para os próximos cinco anos.

Às 12:20, o Ibovespa caía 0,43%, a 129.855,87 pontos. O volume financeiro somava 10,48 bilhões de reais.

A queda ocorre após o Ibovespa, referência do mercado acionário brasileiro, fechar em alta de mais de 2% na véspera, em movimento descolado das bolsas norte-americanas e do declínio dos rendimentos dos títulos do Tesouro norte-americano.

Na visão de analistas do Itaú BBA, o Ibovespa conseguiu superar a resistência em 129.558 pontos na véspera e mostrou sinais de melhora. "Com isso, aumentou as chances de uma retomada do movimento de alta que poderá levar o índice aos níveis de 132.000 e à máxima de dezembro, em 134.400 pontos."

Do lado da baixa, eles citaram no relatório de análise técnica Diário do Grafista que a região de 126.400 pontos é o sinal de alerta para o investidor. "Se perder esse suporte, o índice sairá da tendência de alta."

DESTAQUES

BRADESCO PN desabava 14,04%, a 14,27 reais, após o lucro líquido recorrente de 2,88 bilhões de reais no quarto trimestre frustrar expectativas de analistas, que avaliaram que as projeções para 2024 apontam alguma recuperação no resultado, mas em uma base muito deprimida e com nível ainda muito alto de provisões. O Bradesco também anunciou nesta quarta-feira seu plano estratégico até 2028, buscando aumentar a rentabilidade nos próximos cinco anos, mas o presidente-executivo do banco, Marcelo Noronha, ponderou que os resultados virão trimestre a trimestre. ITAÚ UNIBANCO PN cedia 1,18%, a 34,38 reais.

- VALE ON subia 0,19%, a 66,80 reais, em dia de alta dos futuros do minério de ferro na China, após Pequim sinalizar que as autoridades estavam intensificando os esforços para apoiar os mercados. O contrato mais negociado na Dalian Commodity Exchange fechou em alta de 1,1%, a 944 iuanes (131,31 dólares) por tonelada, recuperando-se da mínima de mais de duas semanas atingida na sessão anterior.

Continua após a publicidade

- PETROBRAS PN avançava 0,43%, a 41,77 reais, em meio a noticiário intenso envolvendo a empresa, incluindo acordo de 832 milhões de reais com a Agência Nacional do Petróleo (ANP) para encerrar processo sobre royalties. O presidente-executivo da petrolífera também disse que a Petrobras está negociando projetos com empresas do Golfo, Índia e China, enquanto a companhia disse que investirá 90 milhões de reais em planta-piloto para hidrogênio de baixo carbono no Rio Grande do Norte. No exterior, o petróleo Brent tinha elevação de 0,39%.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes