Conteúdo publicado há 1 mês

Alaska Airlines coopera com EUA em investigação de incidente com Boeing 737 MAX

A Alaska Airlines disse neste sábado que está cooperando com o Departamento de Justiça dos Estados Unidos (DOJ, na sigla em inglês) depois que uma investigação criminal foi aberta sobre o incidente do Boeing 737 MAX em um voo em janeiro.

"Em um evento como esse, é normal que o DOJ conduza uma investigação. Estamos cooperando plenamente e não acreditamos que sejamos um alvo da investigação", disse a Alaska Airlines em um comunicado enviado por email à Reuters.

O Wall Street Journal noticiou mais cedo, citando documentos e pessoas familiarizadas com o assunto, que os investigadores têm entrado em contato com alguns passageiros e tripulantes do voo de 5 de janeiro, que fez um pouso de emergência em Portland, Oregon, depois que um painel da fuselagem se desprendeu no ar.

A investigação informaria a análise do DOJ sobre se a Boeing cumpriu um acordo anterior que resolveu uma investigação federal após dois acidentes fatais do 737 MAX em 2018 e 2019, acrescentou a notícia.

A Boeing e o Departamento de Justiça não responderam imediatamente ao pedido de comentários da Reuters.

O painel de uma porta se desprendeu abrindo um buraco na fuselagem em um voo operado pela Alaska Airlines não muito depois de decolar de um aeroporto de Portland, Oregon, em 5 de janeiro, forçando os pilotos a se esforçarem para pousar o avião com segurança.

Posteriormente, a Administração Federal de Aviação dos EUA (FAA) ordenou temporariamente que 171 jatos MAX 9 de corredor único com configuração semelhante não voassem.

Dias após o incidente, em 26 de janeiro, a Alaska Airlines retomou o serviço do MAX 9 depois de informar que havia concluído as inspeções no primeiro grupo de suas aeronaves Boeing 737 MAX 9.

Em fevereiro, o Conselho Nacional de Segurança nos Transportes dos EUA disse que parecia que faltavam quatro parafusos-chave no painel da porta que se desprendeu.

Continua após a publicidade