IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Produção industrial cai 0,7% em outubro e marca quinto recuo seguido

Leonardo Soares/UOL
Imagem: Leonardo Soares/UOL

03/12/2015 09h35

A produção industrial nacional diminuiu 0,7% em outubro, na comparação com o mês anterior, quando cedeu 1,5% (dado revisado), feitos os ajustes sazonais. Foi a quinta queda consecutiva dessa atividade no país, apontou pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado veio bem pior que a média das estimativas de 21 analistas consultados pelo Valor Data, de queda de 0,1%. O intervalo das projeções ficou entre recuo de 1% e alta de 0,6%.

Na comparação com outubro de 2014, a produção industrial brasileira caiu 11,2%, a 20ª taxa negativa e a queda mais expressiva desde abril de 2009. Com o resultado, a indústria acumulou recuo de 7,8% no ano e de 7,2% em 12 meses, a perda mais significativa desde novembro de 2009.

"Em outubro de 2015, o setor industrial prossegue com o quadro de menor ritmo produtivo, expresso não só no quinto resultado negativo consecutivo na comparação com o mês imediatamente anterior, mas também no predomínio de taxas negativas no mês, já que as quatro categorias econômicas e a maior parte das atividades pesquisadas reduziram a produção. Com o resultado de outubro, o total da indústria encontra-se 17,0% abaixo do nível recorde alcançado em junho de 2013", destacou o instituto em nota.

Pelo levantamento do IBGE, a produção de bens de capital, já com ajustes sazonais, caiu 1,9% entre setembro e outubro e declinou 32,6% perante o antepenúltimo mês de 2014. No acumulado do ano, a fabricação desses bens, que estão relacionados a investimentos, cedeu 24,5% e, em 12 meses, diminuiu 22,3%.

A produção de bens intermediários, que é cerca de 60% da indústria do país, recuou 0,7% no mês em outubro diminuiu 7,5% em relação ao mesmo período do ano passado.

Nos bens de consumo duráveis, as quedas foram, respectivamente, de 5,6% e de 28,7%. Na indústria de semiduráveis e não duráveis, as baixas corresponderam a 0,6% e 7,4%, na mesma ordem.

Mais Economia