Ibovespa tem valorização; dólar cai ante real com cena externa

O Ibovespa passa por uma recuperação de preços nesta terça-feira - às 13h35, o índice da Bolsa paulista subia 0,15% aos 57.197 pontos. O movimento financeiro, no entanto, é considerado baixo, de R$ 2 bilhões, e projeta R$ 4,3 bilhões para o fim do dia.

De acordo com operadores, sem notícias negativas no mercado brasileiro, os investidores se concentram nos fatos positivos. Vale PNA avançava 0,61% e Vale ON tinha alta de 0,84%. Petrobras PN recuava 0,42% e Petrobras ON cedia 0,12%.

As ações do sistema financeiro operavam no terreno positivo, em um processo de ajuste de preços. As ações ordinárias do Banco do Brasil subiam 1,90%, os papéis preferenciais do Bradesco tinham alta de 1,16% e Itaú Unibanco avançava 1%.

O presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, anunciou hoje um pacote de medidas estruturais. Ele afirmou que não há intenção de usar os bancos públicos para estimular o crédito, mas que as instituições públicas e privadas vão participar em ações para reduzir o custo do crédito. Ilan disse ainda que o BC quer reduzir os juros básicos e bancários.

Outro destaque de alta são as ações da Cielo, que subiam 3%. Ilan afirmou que a questão do crédito rotativo e do prazo vão ser abordadas em anúncios futuros. Ele também afirmou que a autoridade monetária está trabalhando na universalização de acesso a máquinas de cobrança nas lojas e que a diferenciação de preços no cartão será feita por medida provisória.

Câmbio

O dólar operava em queda frente ao real acompanhando o movimento de desvalorização da moeda americana no exterior. Investidores corrigem parte dos exageros após a reunião do Federal Reserve (Fed, banco central americano) na semana passada, quando o dólar apresentou forte alta diante da expectativa de um aperto maior que o esperado da taxa de juros dos Estados Unidos.

No Brasil, com o recesso do Congresso e do Judiciário, a influência das notícias políticas nos preços dos ativos tende a dar uma trégua, com os movimentos no mercado de câmbio passando a ser mais direcionados pelo exterior e pelos fluxos de recursos.

O dólar comercial caía 0,26% para R$ 3,3649, enquanto o contrato futuro para janeiro recuava 0,09% para R$ 3,3715.

Juros

Os juros futuros operam com oscilações modestas, sendo que os mais curtos mostraram leve alta e os longos, leve queda. Após o forte ajuste recente, provocado tanto pela decisão de política monetária local quanto pela americana, o mercado mostra pouca disposição em fazer grandes ajustes nas taxas - o que se traduz também em volumes reduzidos de negócios.

Hoje, o mercado acompanhou o anúncio de medidas estruturais pelo BC, cujo efeito para o curto prazo deve ser muito modesto. Ilan Goldfjan informou que o principal objetivo é trabalhar para tornar o crédito mais barato e uma das maneiras de viabilizar isso é reduzir a complexidade das regras que balizam o compulsório de forma gradual. A ideia é unificar alíquotas e prazos ao longo de 2017.

Ilan também retomou a ideia de criar o depósito remunerado como instrumento auxiliar, complementar às operações compromissadas. O presidente do BC, no entanto, não deu mais detalhes sobre esse projeto.

Em seu discurso, Ilan voltou a dizer que a queda das expectativas de inflação para 2018 e 2019 permitem flexibilização monetária, confirmando a ideia que prevalece no mercado de que o ritmo de corte de juros será acelerado.

Na BM&F, DI janeiro/2019 era negociado a 11,33%, ante 11,31% ontem; DI janeiro/2021 tinha taxa de 11,72%, de 11,79% ontem.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos