PUBLICIDADE
IPCA
+0,25 Jan.2021
Topo

Dólar cai e é negociado na casa de R$ 3,23; juros futuros recuam

30/10/2017 10h31

O dólar e os juros futuros têm viés de baixa no início dos negócios desta segunda-feira. Ainda que as variações sejam modestas, o movimento dá sequência ao alívio registrado na sexta-feira passada.


O sinal do real acompanha a manhã positiva para os emergentes. O rublo russo e a lira turca estão entre os melhores desempenhos diários numa lista de 33 divisas globais. A moeda brasileira está na 10ª colocação, bem próxima do peso mexicano.


Em linha com o comportamento do câmbio, os juros futuros também apontam para baixo. A pressão vinda dos rendimentos dos títulos do Tesouro americano também é aliviada, com queda nas taxas dos títulos americanos.


Investidores globais aguardam para esta semana a decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sobre quem chefiará o Federal Reserve (Fed, banco central americano) a partir do ano que vem. A preocupação é a escolha de um nome mais favorável a juros altos, que poderia significar um endurecimento no aperto monetário do Fed. Já as especulações de que Jerome Powell pode assumir o cargo contribui para a perspectiva de manutenção na postura gradualista do banco, aliviando a pressão no câmbio e no juros globais.


Por volta das 9h30, o dólar comercial caía 0,19%, a R$ 3,2373.


O contrato futuro para novembro, por sua vez, subia 0,02%, a R$ 3,2385.


O ambiente externo deve ser importante também para definir a futura trajetória da taxa Selic. Por ora, o mercado se mostra dividido sobre o ponto terminal no processo de cortes da taxa, principalmente após a retirada do trecho que fazia referência ao "encerramento gradual do ciclo" no comunicado. Alguns especialistas apostam na extensão do processo para 2018, outros consideraram um sinal de que pode ser encerrado em dezembro. Agora, buscam na ata do documento, a ser divulgada amanhã, mais clareza sobre os próximos passos do colegiado.


Nos juros futuros, o DI janeiro/2019 caía a 7,280% (7,300% no ajuste anterior) e o DI janeiro/2021 recuava a 9,080% (9,100% no ajuste anterior).