PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Carla Araújo

Correios gastam R$ 4 milhões para adquirir máscaras e álcool em gel

os carteiros serão os primeiros a receber o kit de proteção - Divulgação
os carteiros serão os primeiros a receber o kit de proteção Imagem: Divulgação
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

13/04/2020 15h45

Os Correios gastaram mais de R$ 4 milhões em utensílios de proteção dos trabalhadores durante a pandemia de coronavírus, como álcool em gel e máscaras. Segundo a empresa, mais de 150 fornecedores foram consultados antes da compra.

A expectativa é fornecer cerca de 100 mil kits, a partir do próximo dia 20. A ideia é começar pelos trabalhadores mais expostos, como os carteiros que precisam ir às ruas, e depois para os da área administrativa.

O presidente da estatal, general Floriano Peixoto, lembra que o serviço dos Correios é uma obrigação constitucional e ratificada em decreto da Presidência da República como serviço essencial e, portanto, mesmo durante a pandemia da COVID19, não podem suspender suas operações.

"Estamos adotando todas as medidas possíveis para garantir a segurança dos empregados no exercício de suas atividades. A distribuição de máscaras de proteção, a adoção de escalas de trabalho nas áreas administrativas e a disponibilização de kit de higienização nas agências e áreas comuns de nossas instalações são apenas algumas das ações de segurança que tomamos em prol da saúde dos funcionários e da população", disse o presidente à coluna.

Os Correios também destacam que seguem os protocolos operacionais e profiláticos já disseminados, "todos eles baseados nas orientações do Ministério da Saúde".

PUBLICIDADE