PUBLICIDADE
IPCA
-0,31 Abr.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Enquanto Bolsonaro não bate martelo, AGU ganha força para o lugar de Moro

25.abr.2019 - Presidente Jair Bolsonaro assina parecer da AGU (Advocacia-Geral da União) ao lado de André Luiz de Almeida Mendonça, advogado-geral da União - Reprodução
25.abr.2019 - Presidente Jair Bolsonaro assina parecer da AGU (Advocacia-Geral da União) ao lado de André Luiz de Almeida Mendonça, advogado-geral da União Imagem: Reprodução
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

27/04/2020 19h40

A indefinição em nomear o substituto de Sérgio Moro no Ministério da Justiça se deve a uma avaliação feita no governo sobre o desgaste que o preferido do presidente Jair Bolsonaro - o atual ministro Jorge Oliveira - teria ao assumir a pasta.

De acordo com auxiliares do presidente, a ligação embrionária de Jorge com a família Bolsonaro não ajudaria a arrefecer o desgaste causado por Moro. Apesar do alerta, o presidente parece disposto a enfrentar as críticas e ainda considera a possibilidade de dar o cargo ao aliado e avisou que deve anunciar o nome amanhã.

Nesta segunda-feira, porém, outro nome ganhou força no Palácio do Planalto: o de André Mendonça, atual Advogado-Geral da União (AGU). A escolha de Mendonça também seria alvo de críticas, avaliam as fontes, mas o "ministro terrivelmente evangélico" ganhou força e apoio de alguns auxiliares.

Segundo uma fonte, Jorge tem um papel importante ao lado do presidente no Palácio do Planalto e por mais que continuasse a despachar com frequência com Bolsonaro perderia a vantagem de estar a poucos metros do gabinete. Já Mendonça ganharia mais corpo ao assumir o Ministério da Justiça.

Jorge e Mendonça já são há algum tempo cotados pelo presidente para assumir futuramente as vagas que ficarão disponíveis no Supremo Tribunal Federal (STF). "O presidente gosta dos dois, e ambos trabalham com muito respeito pelas opiniões do presidente", destacou um assessor.

Independente de bater o martelo para a decisão, a "solução caseira" que tem sido buscada pelo presidente é vista com receio por parte de alguns auxiliares. "O ideal seria um nome de peso do Judiciário. O ministro Jorge é muito competente, mas com todo respeito não tem tamanho para assumir o MJ".

Alguns nomes, como o do ex-presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª região (TRF-4), desembargador Carlos Thompson Flores, ainda estão sendo cogitados. "A tendência ainda é o Jorge, mas hoje André ganhou força. Mas até a decisão tudo pode acontecer", ponderou uma fonte da ala militar.

Polícia Federal

Enquanto o impasse em torno da sucessão de Moro ainda não é resolvido, Bolsonaro reiterou que não pretende voltar atrás na indicação do atual presidente da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Alexandre Ramagem, para a direção-geral da Polícia Federal (PF), no lugar de Mauricio Valeixo, demitido na semana passada.

Ontem, o presidente minimizou o fato de Ramagem ser amigo da família Bolsonaro.

Carla Araújo