PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Coluna

Carla Araújo


Extensão de R$ 600 é automática para quem já tem e pode ser dividida no mês

20.abr.2020 - O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, em coletiva sobre os pagamentos do auxílio emergencial - Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo
20.abr.2020 - O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, em coletiva sobre os pagamentos do auxílio emergencial Imagem: Edu Andrade/Fatopress/Estadão Conteúdo
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

30/06/2020 18h27

O presidente da Caixa, Pedro Guimarães, afirmou que quem já pediu o auxílio emergencial de R$ 600 e está recebendo não precisa fazer nada para ganhar as duas parcelas adicionais anunciadas nesta terça-feira (30) pelo governo. O depósito será feito automaticamente. Além disso, cada parcela adicional de R$ 600 pode ser dividida em mais de uma no mesmo mês.

Guimarães afirmou que já tem o calendário do pagamento das próximas duas parcelas do auxílio emergencial, mas que o formato do pagamento ainda vai ser definido nos próximos dias.

O presidente da Caixa disse ainda que o prazo para solicitação do benefício continuará sendo até esta quinta-feira (2).

"Temos 65 milhões de cadastros aprovados. Um milhão de pessoas que a Dataprev ainda analisa. Todas essas pessoas que receberão as três primeiras parcelas vão receber as cinco no total", disse, após cerimônia no Palácio do Planalto.

Indefinição

O anúncio da extensão do auxílio foi marcado por falhas de comunicação e dúvidas em relação a como vai funcionar o pagamento. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que R$ 600 da parcela poderão ser divididos em mais de um pagamento no mesmo mês.

"Hoje o presidente da República e meu chefe, o ministro Paulo Guedes, explicaram que haverá a quarta parcela de R$ 600 e a quinta parcela também de R$ 600. Nós ainda estamos conversando e devemos anunciar muito em breve esse cronograma", disse Guimarães.

"O que está em discussão é o cronograma. Serão R$ 600 pagos no mês. Como serão pagos? Se por depósito na conta digital, se serão um ou dois depósitos no mês, é exatamente isso que falta anunciar, no detalhe", explicou Guimarães.

Apesar de dizer que o formato dos pagamentos no mês ainda serão definidos, o presidente da Caixa disse que já tem o calendário. "Eu já tenho, mas eu preciso claramente da autorização do meu chefe, o ministro Paulo Guedes, que precisa da autorização do chefe dele, o presidente Bolsonaro. Entendo que isso será feito rápido."

Saques vão demorar mais

Segundo o presidente da Caixa, o cronograma deve seguir os modelos anteriores, de priorizar os depósitos digitais para evitar filas nos bancos em busca de saques.

Guimarães disse ainda que os depósitos na conta digital acontecerão em julho e agosto e afirmou que metade das pessoas que recebem o auxílio estão gastando o dinheiro antes de sacar.

"Os saques vão demorar mais. Vamos detalhar nos próximos dias."

Carla Araújo