PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Bolsonaro prometeu voadora, mas concedeu "saída honrosa" a aliado

25.ago.2020 - Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) abraça o senador e vice-líder do governo Chico Rodrigues durante evento no Palácio do Planalto - Reprodução/Twitter @senadorchico
25.ago.2020 - Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) abraça o senador e vice-líder do governo Chico Rodrigues durante evento no Palácio do Planalto Imagem: Reprodução/Twitter @senadorchico
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

15/10/2020 15h06Atualizada em 15/10/2020 17h27

O presidente Jair Bolsonaro esperou mais de 24 horas, depois de um "chá de sumiço" do senador Chico Rodrigues (DEM-RR), para acabar deixando registrado no Diário Oficial da União que seria de iniciativa do senador a saída da vice-liderança do governo no Senado.

O caso incomodou Bolsonaro, mas não a ponto de o presidente tomar uma atitude mais firme e destituir o senador do cargo o quanto antes. O registro de "a pedido" é uma "saída honrosa" para o senador, admitem auxiliares de Bolsonaro.

Apesar de ter dito mais cedo que "não tem nada a ver com isso", ao blindar o aliado de uma demissão da vice-liderança Bolsonaro perde uma chance de tentar se desvincular do caso de fato. Se fosse mesmo implacável com o combate à corrupção não haveria razões para que Rodrigues não fosse tirado do cargo o quando antes.

Senador foi procurado

Hoje pela manhã, o presidente já havia tomado a decisão de que tiraria o senador do cargo. No entanto, pediu que continuassem a tentar contatá-lo, já que, desde que a operação da Polícia Federal flagrou o senador com dinheiro na cueca, membros do governo não conseguiam falar com Chico Rodrigues.

Coube ao líder do governo no Senado, Fernando Bezerra, conseguir o contato. Então Chico Rodrigues comprometeu-se a pedir para deixar o cargo. Se não o fizesse, a ordem era publicar a destituição.

Na nota da Secretaria Especial de Comunicação Social, divulgada pelo Planalto, há uma tentativa de reforçar o discurso do presidente de que a ação da Polícia Federal e da CGU (Controladoria-Geral da União) "é a comprovação da continuidade do governo no combate à corrupção em todos os setores da sociedade brasileira, sem distinção ou privilégios".

O fato é que o senador, com quem Bolsonaro já afirmou ter uma "união estável", teve até agora pelo menos o privilégio de pedir para sair. Bolsonaro não deu "voadora" no aliado, como prometeu fazer em quem praticasse corrupção no seu governo.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.