PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Carla Araújo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Saída de Salles repete estratégia de "cortina de fumaça" do caso Queiroz

Bolsonaro e Ricardo Salles - Agência Brasil
Bolsonaro e Ricardo Salles Imagem: Agência Brasil
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

23/06/2021 18h30

A quarta-feira começou com o presidente Jair Bolsonaro no centro de denúncias de que teria sido alertado de possíveis irregularidades na compra de vacinas indianas. Ao longo do dia, mais repercussão e pressão contra o governo para que explicações fossem dadas.

No fim da tarde, no entanto, Bolsonaro conseguiu mudar o foco do noticiário com o anúncio de que o investigado Ricardo Salles decidira deixar o Ministério do Meio Ambiente.

Salles, há tempos, não era unanimidade no entorno do presidente. Muito defendiam nos bastidores o seu afastamento, mas não vinham encontrado apoio do presidente.

Até então Bolsonaro vinha defendendo Salles, dizendo que não o deixaria sair. Chegou a levar o então titular do Meio Ambiente para uma de suas motociatas, ontem mesmo fez elogios públicos ao ministro.

A saída de Salles não estava no radar. Até mesmo auxiliares do palácio do Planalto dizem que foram surpreendidos com a notícia.
O que mudou?

Há quem acredite que o anúncio de hoje tem apenas uma estratégia: criar uma cortina de fumaça para que as denúncias saiam do foco.

O script não é novo. No dia 18 de junho de 2020, quando Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, foi preso pela manhã, Bolsonaro acertou - no fim daquele dia - a saída de outro ministro que também não era mais unanimidade: Abraham Weintraub.

Assim como Salles, Weintraub também era alvo de investigações no Supremo Tribunal Federal (STF). O ex-titular da educação recebeu um cargo no Banco Mundial. Salles será que terá algum premio de consolação?

O caso Queiroz era apontado por auxiliares diretos do presidente como "pólvora" para o governo.

O caso envolvendo as supostas irregularidades em torno da Covaxin, segundo o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) "tinha indícios claros de corrupção."

Os próximos dias mostrarão se a estratégia terá ou não o efeito desejado pelo Palácio do Planalto.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL