PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Ex-ministro da Saúde, general Pazuello oficializa pedido para ir à reserva

O general Eduardo Pazuello em cerimônia no Palácio do Planalto  - Alan Santos/Presidência da República
O general Eduardo Pazuello em cerimônia no Palácio do Planalto Imagem: Alan Santos/Presidência da República
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

22/02/2022 11h40Atualizada em 22/02/2022 15h10

O general Eduardo Pazuello, ex-ministro da Saúde, formalizou no Departamento-Geral de Pessoal do Exército seu pedido para passar para a reserva. Segundo apurou a coluna, a documentação foi recebida ontem (21) no quartel-general, em Brasília.

Pazuello é general de intendência e já alcançou o posto máximo da carreira, que no caso é de três estrelas.

Ele se aposentaria automaticamente no próximo dia 31 de março, quando completaria o tempo máximo de quatro anos permitido para o atual posto.

A decisão de antecipar em cerca de um mês a "aposentadoria", segundo fontes militares, não tem impacto em remuneração.

A efetiva saída do quadro de Pazuello do Exército só será validada após a publicação no Diário Oficial da União, o que deve acontecer no início de março.

O ex-ministro, que continua no cargo da Secretaria de Assuntos Estratégicos da Presidência, avalia se será candidato na eleição deste ano.

Reunião do Alto Comando

Generais do Alto Comando participam nesta semana de reuniões que definirão as promoções dos próximos oficiais. Nesta terça-feira (22), a avaliação deve ser em torno dos generais de divisão. Amanhã, a cúpula do Exército vai avaliar as promoções dos generais de Brigada.

O Exército publica anualmente, até o dia 31 de março, as escolhas das promoções de novos generais. A data coincide com aniversário do golpe militar de 1964, que boa parte dos militares chama de "revolução" e que o presidente Jair Bolsonaro já classificou como "dia da liberdade".

As promoções no Exército são regidas pela Lei 5.821, que determina que as promoções feitas "por escolha" serão realizadas três vezes por ano: 31 de março, 31 de julho e 25 de novembro para as vagas abertas.