IPCA
0.01 Jun.2019
Topo

Empregos e carreiras


Como se tornar diplomata, com salário de até R$ 27,4 mil

Lucas Gabriel Marins

Colaboração para o UOL, em Curitiba

2019-07-11T04:00:00

11/07/2019 04h00

O diplomata é um servidor público federal responsável por representar os interesses do Brasil no exterior. Participa de reuniões internacionais, negocia em nome do país e auxilia na formulação e na execução da política externa brasileira.

Com salário bruto de R$ 19,2 mil a R$ 27,4 mil, é uma das ocupações mais disputadas no país. No último concurso, realizado em 2018, foram 278 candidatos por vaga.

O UOL preparou um guia com informações para quem deseja seguir nessa carreira.

Como se tornar um diplomata?

Para trabalhar como diplomata, o candidato precisa ser aprovado em um concurso realizado pelo Instituto Rio Branco, órgão ligado ao Ministério das Relações Exteriores.

O que faz exatamente um diplomata?

Os diplomatas representam o Brasil perante a comunidade internacional. São responsáveis por colher informações necessárias à formulação da política externa, participar de reuniões internacionais, negociar em nome do país, dar assistências às missões no exterior e promover a cultura e os valores do povo brasileiro.

Ao longo da carreira, costumam tratar de assuntos como paz e segurança, normas de comércio, direitos humanos, meio ambiente, tráfico de drogas e fluxos migratórios.

Quais são os requisitos necessários para ser um diplomata?

Além de ser aprovado no concurso, é preciso ter no mínimo 18 anos, ser brasileiro nato, estar em dia com as obrigações eleitorais e com o serviço militar (no caso de homens) e apresentar diploma de qualquer curso superior reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). Se o diploma for estrangeiro, é necessário fazer a revalidação em alguma instituição nacional.

Qual curso superior fazer para se tornar um diplomata?

Qualquer um que seja aprovado pelo MEC. Análise do Instituto Rio Branco, no entanto, mostra que a maioria dos aprovados tem formação em cursos da área de humanas, como direito, administração, ciência política, relações internacionais, economia, letras, comunicação social, história e geografia.

Quando o concurso para diplomata acontece?

O concurso de admissão à carreira de diplomata ocorre conforme a necessidade de preencher cargos e disponibilidade de Orçamento.

Quando será o próximo concurso para diplomata?

O próximo concurso deve acontecer neste segundo semestre. O regulamento foi publicado em junho no Diário Oficial da União, e o edital com as datas das inscrições e da prova deve ser divulgado em breve.

Quantas vagas há no concurso para diplomata?

Isso varia conforme a necessidade. No concurso previsto para este ano, há 20 vagas para preenchimento imediato.

Como é a prova do concurso?

Neste ano, serão duas fases. A primeira consiste em uma prova objetiva, de caráter eliminatório, com questões de língua portuguesa e inglesa, história do Brasil, história mundial, política internacional, geografia, economia, direito e direito internacional público.

A segunda fase do concurso tem provas escritas, de caráter eliminatório e classificatório, com perguntas de história do Brasil, geografia, política internacional, economia, direito e direito internacional público, além de língua portuguesa, inglesa, espanhola e francesa.

Qual a concorrência para o concurso de diplomata?

Em 2018, foram disponibilizadas 26 vagas, sendo 19 para ampla concorrência, duas para pessoas com deficiência e cinco para negros. Na ampla concorrência a relação candidato/vaga foi de 278,63.

Qual o salário de um diplomata?

Quando passa no concurso, o diplomata ocupa o cargo de terceiro-secretário, com remuneração inicial bruta de R$ 19.199,06. Ao longo da carreira, o profissional pode ser promovido a segundo-secretário (R$ 21.226,79), primeiro-secretário (R$ 22.802,63), conselheiro (R$ 24.500,44), ministro de segunda classe (R$ 26.319,29) e embaixador/ministro de primeira classe (R$ 27.369,67). Os valores são corrigidos anualmente.

Os critérios de promoção são: antiguidade, merecimento, período mínimo de permanência de três anos em cada classe, tempo de serviço no exterior, tempo de carreira e conclusão de cursos específicos. As promoções também ficam condicionadas a votos de colegas de trabalho, superiores e do ministro da pasta. A chegada ao topo da carreira leva no mínimo 20 anos.

Quanto tempo é preciso estudar para passar no concurso para diplomata?

Depende. O diplomata Daniel Köhler Leite, que passou no concurso de 2017, preparou-se ao longo de pouco mais de três anos antes de conseguir ingressar na carreira. Na sua turma, segundo ele, a média foi de quatro anos e meio de estudo.

"Eu costumava estudar entre oito e 12 horas por dia. Fazia leituras, simulados, fichamentos e grupos de estudo. O único dia em que eu descansava era no domingo", disse o profissional, que é formado em economia na Universidade de Munique, na Alemanha.

Diplomata só trabalha no exterior ou pode atuar no Brasil também?

Segundo Köhler Leite, nos primeiros anos de carreira, o profissional geralmente fica no Brasil. Depois, no entanto, vai para outros países, pois é necessário para subir na carreira.

Köhler Leite está lotado no departamento de Comunicação Social do Itamaraty (Ministério das Relações Exteriores), em Brasília.

Fontes: Instituto Rio Branco; Itamaraty; Centro de Seleção e de Promoção de Eventos da Universidade de Brasília - Cespe/UnB; Damásio Educacional - Unidade Curitiba; e diplomata Daniel Köhler Leite.

Se não sabe responder a estas 5 questões, será muito difícil ficar rico

UOL Notícias

Mais Empregos e carreiras