PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Empregos e carreiras

Desemprego cai e atinge 11,9 milhões, mas informalidade bate recorde

iStock
Imagem: iStock

Do UOL, em São Paulo

27/12/2019 09h33

Resumo da notícia

  • Taxa de desemprego foi de 11,2%, o que representa queda em relação ao trimestre anterior e ao mesmo trimestre de 2018
  • População desocupada caiu, mas ainda atinge 11,9 milhões de pessoas
  • Informalidade continua crescendo e bateu novo recorde, somando 38,8 milhões de pessoas
  • Vagas temporárias de final de ano no comércio contribuíram para queda na taxa de desocupação
  • Os dados fazem parte da Pnad, do IBGE

A taxa de desemprego fechou em 11,2% no trimestre encerrado em novembro, caindo tanto comparação com o trimestre anterior, quando a taxa registrada foi de 11,8%, quanto em relação ao mesmo trimestre de 2018 (11,6%). O recuo no desemprego foi acompanhado, mais uma vez, pelo aumento das vagas sem carteira de trabalho assinada, que bateram recorde, num sinal dos desafios para o mercado de trabalho em 2020.

A população desocupada, de 11,9 milhões de pessoas, também caiu em ambas as comparações: -5,6% (ou 702 mil pessoas a menos) em relação ao trimestre anterior e -2,5% (300 mil pessoas a menos) em relação ao mesmo trimestre de 2018.

O nível de desocupação é o mais baixo desde o trimestre encerrado em maio de 2016 (quando também bateu 11,2%). Para trimestres encerrados em novembro, é o menor desde 2015, quando a taxa ficou em 9%.

Os dados fazem parte da Pnad (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) Contínua, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A pesquisa não usa só os trimestres tradicionais, mas períodos móveis (como fevereiro, março e abril; março, abril e maio etc.).

As vagas temporárias abertas no comércio por causa das datas comemorativas de fim de ano contribuíram para a queda de 0,7 ponto percentual na taxa de desocupação. É a maior redução da série histórica, junto com a do trimestre encerrado em agosto de 2017.

Segundo a analista da pesquisa do IBGE, Adriana Beringuy, o resultado confirma a sazonalidade esperada para essa época do ano.

Ficamos dois anos, em 2015 e 2016, sem ter a sazonalidade já que não havia geração de postos suficientes para atender à demanda por trabalho. Agora, o comércio mostra movimento positivo no trimestre fechado em novembro, o que achamos que está relacionado às datas comemorativas como Black Friday e a antecipação de compras de final de ano.
Adriana Beringuy, analista do IBGE

No setor do comércio, a ocupação cresceu 1,8%, o que corresponde a 338 mil postos de trabalho gerados. Em segundo lugar ficou o setor de alojamento e alimentação, com mais 204 mil ocupados, seguido por construção, com 180 mil vagas.

Trabalhadores por conta própria batem recorde

Houve aumento de 1,1% na geração de empregos com carteira de trabalho, totalizando 33,4 milhões de pessoas, o maior crescimento desde o trimestre encerrado em maio de 2014.

Mas também aumentou a informalidade. O número de trabalhadores por conta própria, como motoristas de aplicativo ou ambulantes, cresceu 1,2% e agora soma 24,6 milhões de pessoas, um novo recorde. A categoria dos empregados sem carteira de trabalho assinada no setor privado (11,8 milhões de pessoas) ficou estatisticamente estável em ambas as comparações. Com isso, a população ocupada de carteira assinada atingiu 38,8 milhões de pessoas.

Esse movimento da carteira é positivo, mas não é suficiente para uma mudança na estrutura do mercado de trabalho. A despeito dessa reação, durante todo o ano houve crescimento nas categorias relacionadas à informalidade, como conta própria e empregado sem carteira.
Adriana Beringuy, analista do IBGE

Total de pessoas ocupadas cresce

A população ocupada chegou a 94,4 milhões, novo recorde da série histórica, crescendo em ambas as comparações: 0,8% (mais 785 mil pessoas) em relação ao trimestre anterior e 1,6% (mais 1,5 milhão de pessoas) em relação ao mesmo trimestre de 2018.

Já a população fora da força de trabalho (65,1 milhões) ficou estável em ambas as comparações. Os desalentados (4,7 milhões) também ficaram estatisticamente estáveis em ambas as comparações.

"O mercado melhorou em 2019 em termos numéricos, mas ainda tem muito a avançar numérica e qualitativamente", disse Beringuy.

Metodologia da pesquisa

A Pnad Contínua é realizada em 211.344 casas em cerca de 3.500 municípios. O IBGE considera desempregado quem não tem trabalho e procurou algum nos 30 dias anteriores à semana em que os dados foram coletados.

Existem outros números sobre desemprego, apresentados pelo Ministério da Economia, com base no Caged (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados). Os dados são mais restritos porque consideram apenas os empregos com carteira assinada.

Veja mais economia de um jeito fácil de entender: @uoleconomia no Instagram.
Ouça os podcasts Mídia e Marketing, sobre propaganda e criação, e UOL Líderes, com CEOs de empresas.
Mais podcasts do UOL no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas

Programa Verde Amarelo tenta gerar empregos; entenda

UOL Notícias

Empregos e carreiras