PUBLICIDADE
IPCA
0,36 Jul.2020
Topo

Diarista, personal, motorista: veja como a pandemia muda várias profissões

Claudia Varella

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/06/2020 04h00

Como será o mercado de trabalho pós-pandemia? Dominar os recursos tecnológicos será imperativo para muitas profissões, como as de professor, advogado, médico e artista. Para os profissionais que "garimpam" possíveis novas doenças e medicamentos para combatê-las, como os geneticistas e os biocientistas, respectivamente, haverá pressão maior e mais investimentos para isso.

A análise foi feita pela Heach Recursos Humanos, que listou 17 profissões que estão sendo impactadas pela pandemia e como estes profissionais terão de atuar e se adaptar para sobreviver no mercado de trabalho pós-covid-19.

"As mudanças vieram para ficar, e quanto antes o profissional fizer os ajustes para se adaptar a esse novo cenário, menos será o impacto na sua carreira", afirmou Elcio Paulo Teixeira, CEO e fundador da Heach Recursos Humanos, empresa com sede no Brasil e membro da Sociedade Americana de RH.

Segundo ele, a grande maioria terá incremento salarial, com projeção de 10% a 30% de aumento. "Mas isso ainda é especulação. Quando você exige mais qualificação, você tem que ter um profissional mais bem preparado. Daí o funil é menor, pois a disponibilidade desses profissionais é menor", declarou.

Segundo ele, a análise foi feita com base em conversas diárias sobre as transformações que estão ocorrendo atualmente e as tendências mundiais com profissionais da Sociedade Americana de RH e com grupos focais que fazem parte de uma base com cerca de 800 mil currículos.

Confira como ficará o mercado de trabalho, de acordo com Teixeira, da Heach Recursos Humanos.

Advogados

Terão que dominar o uso de aplicativos de reunião e ferramentas tecnológicas para petições e acordos e de programas de Inteligência Artificial que estão cada vez mais presentes na rotina legal das instâncias jurídicas.

Arquitetos

Deverão se especializar em projetos que promovam a biossegurança doméstica e urbana. Ou seja, projetos que promovam a circulação de ar e que tenha estações de higienização, por exemplo. Esses profissionais devem atuar em parceria com as engenharias sanitária e ambiental.

Artistas em geral

Como haverá uma tendência maior de se evitar aglomerações, esses profissionais deverão utilizar plataformas eletrônicas para expor suas criações, como os de leilão virtual e plataformas de promoção e venda de produtos.

Biocientistas

A biociência e a farmácia terão mais investimentos para estudos de novas medicações, o que envolverá "garimpagens" pelo mundo. Esses profissionais terão de utilizar a Inteligência Artificial para, por exemplo, buscar artigos e pesquisas publicadas sobre um determinado medicamento, condensar e cruzar os dados para poder verificar a sua viabilidade, riscos e benefícios.

Cozinheiros/chefs: Estética e sabor do prato deverão estar associados ao incremento do uso de alimentos (como os orgânicos e os que combinam determinados tipos de vitaminas) que fortaleçam o sistema imunológico e promovam saúde. Deve prevalecer o ramo da "nutrição saudável".

Economistas

A pandemia mostrou que as pessoas estão financeiramente despreparadas para imprevistos. Muitos profissionais irão migrar para a área de educação e organização de finanças pessoais.

Empregados domésticos/profissionais de limpeza

Não bastará mais limpar, mas a eficácia da limpeza invisível se tornará essencial com uso de produtos e equipamentos para a eliminação de bactérias e germes. Isso exigirá mais qualificação profissional ao segmento.

Enfermeiros

Todos os protocolos hospitalares passarão por revisões rígidas e exigirão um nível de qualificação ainda maior desses profissionais para a proteção de vidas.

Engenheiros ambientais

Projetos habitacionais e urbanísticos deverão contar com atuação maior desses profissionais, na criação e manutenção de áreas verdes, limpeza de bacias hidrográficas, reúso da água e promoção de energia limpa para casas e cidades, entre outros exemplos. Como parte dos projetos são executados por outras áreas, como engenheiros civis e arquitetos, esses profissionais deverão trabalhar juntos, em equipes multidisciplinares.

Engenheiros hospitalares

Terão de se especializar em projetos que criem unidades eficientes e com estrutura para atendimento multidisciplinar (com várias especialidades médicas) e com tecnologia adequada para diagnóstico e tratamento dos pacientes.

Geneticistas

O estudo da genética já estava listado há alguns anos dentre as profissões do futuro, mas haverá um foco na identificação de prováveis doenças do futuro, para assim antecipar a prevenção e o tratamento da enfermidade.

Médicos

Terão que trabalhar com telemedicina e utilizar recursos tecnológicos remotos para diagnosticar e monitorar pacientes remotamente.

Motoristas de táxi e de aplicativos

Deverão ser treinados com novos procedimentos de ações voltadas para prevenção e proteção do passageiro e do próprio motorista, como a higienização de veículo.

Personal trainer/professores de educação física

As aulas online e o uso de ferramentas de monitoramento físico (como consumo e queima de calorias, horas de sono e progresso físico alcançado) serão rotina, o que obrigará esses profissionais a dominar ferramentas tecnológicas.

Professores

Deverão ter total domínio tecnológico e atuação forte e alimentação constante de conteúdo nas redes sociais, blogs e canais de informações como YouTube e Podcasts, para garantir o aprendizado e interação constante com os alunos.

Profissionais de marketing

Terão de se especializar em neuromarketing, para buscar formas mais eficientes de chamar a atenção do consumidor, e usar a Inteligência Artificial para cruzar os dados coletados para uma ação eficiente do marketing.

Profissionais de TI

Haverá uma migração de atuação de muitos profissionais para área de desenvolvimento de soluções de saúde, monitoramento e bem-estar.

Quais são os 5 hábitos financeiros que devemos manter após a quarentena

Empregos e carreiras